Sienna Miller fala sobre obsessão e legado de Hitchcock

quarta-feira, 17 de outubro de 2012 15:00 BRT
 

Por Christine Kearney

NOVA YORK, 17 Out (Reuters) - Nas palavras de Alfred Hitchcock, "as loiras são as melhores vítimas".

Mas, embora a preferência do grande diretor britânico por loiras tenha sido documentada, o novo filme "The Girl" resume-se a uma obsessão em particular -- a atriz Tippi Hedren, a quem ele escolheu a dedo para estrelar seus filmes dos anos 1960 "Os Pássaros" e "Marnie".

O filme, que estreia no sábado no canal a cabo norte-americano HBO, conta a versão de Hedren sobre como Hitchcock, interpretado por Toby Jones, lançou a sua carreira, e, depois que ela rejeitou seus avanços sexuais, eventualmente a destruiu.

Sienna Miller falou à Reuters sobre como foi retratar Hedren, se "The Girl" vai mudar o legado de Hitchcock e se o mundo do cinema ainda permite tais abusos de poder.

P: Será que Tippi Hedren, agora com 82 anos, ainda sente que Hitchcock arruinou sua carreira?

R: "Bem, ela certamente sente isso, porque ele arruinou. Ao mesmo tempo, ela o elogia muito, e como diretor, ninguém está questionando o fato de que ele é incrível no que faz. E também ele a ensinou como agir e ela é muito grata a ele por isso -- aprender com o mestre. Mas sim, ele realmente foi responsável por prejudicar sua carreira e, claro, há o ressentimento que vem com isso."

P: Conte-nos sobre as emoções que ela estava passando durante as filmagens de "Os Pássaros" e "Marnie" e como lidou com os avanços dele.

R: "Ela estava tentando desesperadamente manter a cabeça à tona, fazer o trabalho, só andar na linha moral, não reagir, não capitular diante de suas demandas, ou desejos, enquanto mantinha o respeito por este cineasta incrível para quem ela estava trabalhando. Mas eu acho que ela tornou-se gradualmente mais e mais afastada de todos e as pessoas no set foram vendo esse comportamento."   Continuação...