Coroa reformada da Estátua da Liberdade reabre no fim de semana

sexta-feira, 26 de outubro de 2012 18:45 BRST
 

NOVA YORK, 26 Out (Reuters) - A coroa da Estátua da Liberdade será reaberta ao público no domingo, aniversário de 126 anos da inauguração do monumento, após uma reforma de um ano para deixar o marco de Nova York mais seguro e mais acessível às pessoas em cadeiras de rodas.

A reforma de 30 milhões de dólares da estátua, que está sobre a Ilha da Liberdade, em Nova York Harbor, melhorou os alarmes contra incêndio, os sistemas de aspersão e as rotas de saída para deixar a Senhora Liberdade de acordo com os padrões de segurança da cidade, afirmou o Serviço Nacional de Parques.

Também há mais escadas do que nunca, com assustadores 393 degraus até a coroa, onde anteriormente havia 354 degraus ligeiramente íngremes. Elevadores com acesso para cadeiras de rodas dentro do pedestal levam visitantes até um pouco abaixo das sandálias da estátua.

A Estátua da Liberdade tem 46 metros da base à tocha. Ela está instalada sobre um pedestal de pedra de 27 metros, que fica sobre uma base de 20 metros em forma de estrela. Não há acesso para cadeirantes ao interior do corpo da estátua.

Um novo sistema de ar condicionado vai resfriar o interior do monumento revestido de cobre, que antes podia chegar a até 20 graus mais quente do que no lado de fora no auge do verão. E os banheiros foram reformados pela primeira vez desde 1980.

Os visitantes cadeirantes, que antes podiam ver a estátua apenas do chão, agora podem subir até o topo do pedestal e ver o interior da estrutura.

Cerca de 3,5 milhões de pessoas visitam a Ilha da Liberdade a cada ano, embora a maioria não vá para dentro da estátua, disseram funcionários do parque. Com as melhorias, um adicional de 26 mil visitantes serão capazes de subir até a coroa a cada ano.

A estátua, um presente da França para os Estados Unidos, foi inaugurada em 1886 e declarada monumento nacional em 1924. Em 2009, a coroa foi reaberta ao público pela primeira vez desde os ataques de 11 de setembro de 2001.

(Reportagem de Jonathan Allen)