ESTREIA-Drama de marginalizados por droga inspira filme de Trapero

quinta-feira, 1 de novembro de 2012 13:04 BRST
 

SÃO PAULO, 1 Nov (Reuters) - Há muitos pontos de contato entre "Elefante Branco", novo drama do diretor argentino Pablo Trapero, e a realidade social brasileira. Ambientado nos anos 1970, o filme localiza-se num cenário de desemprego e criminalidade juvenil, numa grande favela de Buenos Aires, a Villa Virgin, onde militam dois padres ligados à Teologia da Libertação, interpretados pelo astro argentino Ricardo Darín e o ator belga Jérémie Renier, em seu primeiro papel falando espanhol.

A presença de Jérémie Renier ergue também uma ponte entre esta temática social, que o diretor Trapero persegue desde sua estreia, em filmes como "Do Outro Lado da Lei" (2001) e os recentes "Leonera" (2008) e "Abutres" (2010), e o cinema humanista dos irmãos Jean-Pierre e Luc Dardenne, cineastas belgas que revelaram Renier em filmes como "A Promessa" (1996) e "A Criança", Palma de Ouro em Cannes em 2005.

Mas é assumidamente no premiado drama brasileiro "Cidade de Deus", de Fernando Meirelles, que o cenário de "Elefante Branco" tem seu mais próximo correspondente, diferenciando-se pela atuação dos padres progressistas.

Na enorme favela, o padre Julián (Ricardo Darín) e seus auxiliares fazem o que podem para reduzir o impacto da pobreza e do crack, oferecendo um serviço de assistência sanitária e social, além de auxílio para a procura de emprego.

Soma-se ao grupo de religiosos o padre estrangeiro, Nicolas (Renier), que escapou por pouco de um massacre numa zona indígena na Amazônia. A situação de risco deflagrou nele uma crise pessoal, que os desafios neste novo ambiente só fazem acentuar.

O título do filme remete a um grande hospital, cuja construção chegou a ser iniciada décadas atrás, mas terminou abandonado. Agora, suas ruínas oferecem esconderijo a garotos que desperdiçam sua vida na criminalidade e nas drogas.

Não apenas religiosos participam da missão. Há também ateus engajados, caso da assistente social Luciana (Martina Gusman), que se aproxima de Nicolas, agravando sem querer sua crise pessoal.

Responsável pelo grupo, o padre Julián atua num verdadeiro vespeiro, mediando as hesitações da cúpula da Igreja Católica, as pressões dos traficantes de drogas e também da polícia -que procura obrigar os padres a entregar-lhes os pequenos traficantes ou viciados que eventualmente os procuram em busca de tratamento e proteção.

Apoiado num roteiro que evoca fatos verídicos, como o assassinato do padre Carlos Mugica, nos anos 1970, Trapero não suaviza o retrato do universo onde mergulha, nem as contradições de seus protagonistas, investidos de uma missão maior do que suas forças com um idealismo que só aumenta a empatia que despertam.   Continuação...