ESTREIA-Com pouca criatividade, "As palavras" aborda plágio na literatura

quinta-feira, 22 de novembro de 2012 11:44 BRST
 

SÃO PAULO, 22 Nov (Reuters) - Existe uma grande dose de ironia no drama "As Palavras", um filme sobre plágio que mais parece um plágio de outros filmes.

Não que o longa escrito e dirigido pela dupla Brian Klugman e Lee Sternthal (roteiristas de "Tron - O Legado") seja uma cópia fiel de outro filme, mas é tão banal que deixa bem claro ser incapaz de qualquer frescor.

O filme começa com Clay Hammond (Dennis Quaid, de "O Que Esperar Quando Você Está Esperando") em turnê para o lançamento de seu mais novo romance, quando conhece a jovem Daniella (Olivia Wilde, de "Caubóis e Aliens"). E um interesse mútuo parece surgir.

Entra em cena depois um escritor sem dinheiro - Rory Jansen (Bradley Cooper, de "Se Beber, Não Case"), que procura seu pai (J. K. Simons) para pedir ajuda. As coisas só mudam de figura quando ele encontra uma sacola com um manuscrito inédito e resolve digitar o livro inteiro em seu computador.

Sua mulher, Dora (Zoe Saldana), começa a ler "o novo livro" do marido e o considera muito bom, encorajando-o a publicá-lo. Ao mesmo tempo, o filme conta a história do livro misterioso, que gira em torno de um soldado (Ben Barnes, de "O Retrato de Dorian Gray"), que na França do pós-Segunda Guerra também escrevia pensando em sua musa, Celia (Nora Amezeder).

A trama propõe, então, um jogo entre passado e presente, realidade e ficção. O filme segue três narrativas - os três escritores - e como suas vidas amorosas armam o diálogo entre passado e presente.

Surge um novo componente quando entra em cena Jeremy Irons, que introduz na história a questão moral do plágio. Um dos poucos atores capazes de tirar leite de um personagem que mais parece uma pedra, Irons também não tem muito o que fazer aqui.

E, já que o assunto é plágio, vale lembrar que Woody Allen abordou uma situação parecida em "Você Vai Conhecer o Homem dos Seus Sonhos" - com nível bem superior de qualidade.

(Por Alysson Oliveira, do Cineweb)

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb