November 30, 2012 / 8:59 PM / in 5 years

Carta em que Napoleão promete "explodir o Kremlin" vai a leilão

3 Min, DE LEITURA

Uma rara carta em que Napoleão Bonaparte promete "explodir o Kremlin" é exibida em uma casa de leilão em Paris, na França, em 22 de novembro. 22/11/2012Charles Platiau

PARIS, 30 Nov (Reuters) - Uma rara carta em que Napoleão Bonaparte promete "explodir o Kremlin" irá a leilão no domingo em Paris, na França, fornecendo revelações sobre a malfadada campanha russa do imperador francês.

Escrita em código e datada de 20 de outubro de 1812, ela consta de uma série de cifras e é apressadamente assinada por "Nap".

A transcrição original, traduzida por serviços secretos para o chanceler Hugues-Bernard Maret em Vilna, também vai a leilão, com sua endiabrada primeira frase: "Vou explodir o Kremlin em 22 de outubro, às 3 em ponto da manhã."

O documento faz parte de um lote de mais de 400 objetos napoleônicos postos à venda, com um preço estimado em 10 mil a 15 mil euros, segundo a casa de leilões Osenat.

"É mágico, temos realmente um pedaço da história em nossas mãos ... Eu não perderia isso nem por um império", disse o diretor da casa de leilões, Jean-Pierre Osenat.

A carta foi escrita num momento difícil para Napoleão, já no fim de sua campanha russa de 1812, na qual mais de 300 mil soldados franceses morreram. A batalha nos arredores de Moscou, em setembro daquele ano, é considerada um dos dias mais sangrentos das Guerras Napoleônicas, com pelo menos 70 mil baixas.

Quando Napoleão finalmente entrou em Moscou, o tsar russo já havia saído. Foi então que ele começou a desastrosa grande retirada de Moscou, ordenando que o Duque de Treviso destruísse o Kremlin. Várias das torres do edifício foram destruídas junto a partes de seu muro. O local foi restaurado nos anos seguintes.

"Minha cavalaria está em frangalhos, um monte de cavalos está morrendo. Certifique-se de que compraremos mais assim que possível", Napoleão escreveu a Maret, dando uma visão sobre os horrores da campanha.

Dado o seu conteúdo explosivo e o fato de que tão poucas cartas do tipo sobrevivem, Osenat espera que a carta provoque um grande interesse.

Enquanto muitos colecionadores russos ainda celebram as proezas militares de Napoleão, eles têm dificuldade de perdoar o que veem como um ato de vandalismo.

Mas ele considera que é possível que um comprador russo possa arrematá-la se um colecionador francês ou um museu não chegarem primeiro.

Duzentos anos depois, a peça histórica de papel pode acabar voltando para o lugar de onde veio.

Reportagem de Johnny Cotton

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below