ESTREIA-Aventura "A Viagem" embaralha histórias no tempo e no espaço

quinta-feira, 10 de janeiro de 2013 11:35 BRST
 

SÃO PAULO, 10 Jan (Reuters) - "A Viagem", dirigido pelo trio Tom Tykwer, Andy Wachowski e Lana Wachowski, são seis filmes em um. Poderia ser vantagem pagar um ingresso e ganhar vários longas, se algum deles funcionasse direito, o que não é bem o caso.

Adaptado do romance pós-moderno "Cloud Atlas", do inglês David Mitchell, o enredo embaralha as histórias, que se passam em eras e lugares distintos, o que acaba evidenciando ainda mais a ideia do livro: que a experiência humana é mesmo independente do tempo e do espaço.

No romance, cada segmento acontece separadamente, como se fossem contos interligados, com alguns deles pontuando a divisão. Aqui, no roteiro assinado pelos diretores, as narrativas acontecem paralelamente, pulando sem parar da Inglaterra dos anos de 1930 para uma ilha havaiana num futuro pós-apocalíptico, depois para outro futuro distópico num lugar chamado Nova Seul e outros tempos e lugares.

O elenco tem como protagonistas Tom Hanks, Halle Berry, Jim Broadbent, Hugh Grant, Susan Sarandon, Jim Sturgess, Hugo Weaving, James D'Arcy e Ben Wishaw. Cada um interpreta diversos papéis, mudando de sexo, cor da pele ou etnia, o que é resolvido por um complexo trabalho de maquiagem.

Assim, Halle faz uma jornalista nos anos de 1970 investigando uma usina nuclear, uma alienígena no futuro ou uma aristocrata judia na década de 1930. Hanks também é o membro de uma tribo, um médico num navio do século 19 e um escritor beberrão no século 21.

Tratar a nossa contemporaneidade, aliás, como presente no filme seria um equívoco, pois "A Viagem" --tal qual define o pós-moderno-- não distingue passado, presente e futuro. Não há propriamente um tempo presente no filme, e, no embaralhamento das cenas, é fácil perder a noção do tempo.

A primeira trama acompanha um navio no século 19 onde um médico (Hanks) tenta roubar a fortuna de um aristocrata (Sturgess). Seguindo cronologicamente, nos anos de 1930, um jovem compositor (Whishaw), deixa seu amante (James D'Arcy) em Cambridge e torna-se uma espécie de secretário de um velho músico, famoso e um tanto decrépito (Broadbent), na esperança de conseguir a fama.

Na década de 1970, uma jornalista (Berry) investiga uma usina nuclear e é perseguida. Em 2012, um editor fracassado (Broadbent) reencontra o sucesso quando o autor (Hanks) do livro que publicou joga um crítico do alto de um prédio.

Porém, descobre que o dinheiro que ganhou só deu para pagar as dívidas. Quando é pressionado por gângsters ligados ao escritor, o editor pede ajuda ao seu irmão (Grant), que o interna num asilo. Na futurista Nova Seul, garçonetes de uma rede de fast food são produzidas artificialmente e acabam descartadas como lixo.   Continuação...