Hollywood culpa Washington por desprezo a "A Hora Mais Escura" no Oscar

sexta-feira, 11 de janeiro de 2013 12:45 BRST
 

Por Jill Serjeant

LOS ANGELES, 11 Jan (Reuters) - O desprezo a Kathryn Bigelow por parte dos eleitores do Oscar surpreendeu seu elenco e especialistas em premiações, com alguns apontando o dedo para os políticos de Washington pela ausência da diretora de "A Hora Mais Escura" na lista de candidatos à estatueta de melhor diretor.

Bigelow foi vista como a maior injustiçada das nomeações ao Oscar, depois que seu controverso suspense sobre a caçada a Osama bin Laden ganhou cinco indicações, incluindo melhor filme, mas a diretora em si foi cortada da disputa pelo prêmio de direção da maior honraria da indústria.

"Kathryn Bigelow foi roubada", twittou Megan Ellison, uma das produtoras do filme, após o anúncio das nomeações, na quinta-feira.

O filme sobre a caçada de uma década dos EUA a Bin Laden está sob ataque feroz em Washington. Um grupo de senadores repreendeu em dezembro a distribuidora Sony Pictures em uma carta, chamando o filme de "grosseiramente impreciso e enganoso", por sugerir que a tortura ajudou os Estados Unidos a capturarem Bin Laden em maio de 2011.

O Comitê de Inteligência do Senado também lançou uma revisão das relações da CIA com Bigelow e o roteirista Mark Boal.

Observadores de Hollywood dizem que a publicidade negativa afetou as escolhas para os indicados ao Oscar feitas pela Academia de Artes e Ciências Cinematográficas, cujos 6.000 membros são profissionais da indústria.

O crítico Kenneth Turan, do Los Angeles Times, culpou o desprezo a Bigelow no que ele chamou de intimidadores de Washington.

"Resume-se as nomeações (ao Oscar) este ano como uma vitória para o poder de intimidação do Senado dos Estados Unidos e uma perda não merecida para 'A Hora Mais Escura' em geral, e para a diretora Kathryn Bigelow em particular", escreveu Turan, na quinta-feira.   Continuação...

 
Diretora de cinema Kathryn Bigelow é entevistada durante a estréia do filme "A Hora Mais Escura" em Hollywood, em dezembro. O desprezo a Bigelow por parte dos eleitores do Oscar surpreendeu seu elenco e especialistas em premiações, com alguns apontando o dedo para os políticos de Washington pela ausência da diretora na lista de candidatos à estatueta de melhor diretor. 10/12/2012 REUTERS/Mario Anzuoni