29 de Janeiro de 2013 / às 13:07 / 5 anos atrás

Palestinos vibram com documentário indicado ao Oscar

Cartaz de divulgação do filme "5 Broken Cameras", indicado ao Oscar de melhor documentário neste ano, é visto em Ramallah, na Cisjordânia. O filme foi exibido aos palestinos pela primeira vez na segunda-feira, deixando a plateia otimista com a repercussão global do longa-metragem para sua luta contra a ocupação israelense. 28/01/2013Mohamad Torokman

Por Noah Browning

RAMALLAH, Cisjordânia, 29 Jan (Reuters) - O filme "5 Broken Cameras", indicado ao Oscar de melhor documentário neste ano, foi exibido aos palestinos pela primeira vez na segunda-feira, deixando a plateia otimista com a repercussão global do longa-metragem para sua luta contra a ocupação israelense.

Com uma câmera amadora e quase sem orçamento, o jornalista Emad Burnat passou cinco anos documentando protestos semanais contra confiscos de terras realizados por forças israelenses e colonos judeus na aldeia palestina de Bil'in, na Cisjordânia ocupada.

Vizinhos são mortos nos protestos, e equipamentos de demolição pontuam a paisagem, enquanto o cineasta captura a rápida perda da inocência do seu filho pequeno, como mostram as primeiras palavras que ele aprende: "muro" e "exército".

"Este é um filme para aqueles que foram martirizados. É maior do que eu e maior do que Bil'in. Mais de 1 bilhão de pessoas acompanham o Oscar, e agora saberão da nossa luta", disse Burnat após a exibição.

"5 Broken Cameras" concorre com outros quatro filmes, incluindo o documentário israelense "The Gatekeepers", reunindo depoimentos de seis ex-chefes de serviços de inteligência israelenses.

Embora com perspectivas muito diferentes, os dois documentários compartilham de uma mensagem surpreendentemente similar: que a ocupação israelense na Cisjordânia é moralmente errada e deve acabar.

O filme de Burnat foi aplaudido de pé na pré-estreia em Ramallah, capital administrativa dos palestinos.

"O filme mostra ao mundo todo o que é a ocupação. Ela eliminou a felicidade do rosto do menino numa idade muito tenra. Essa tem sido a experiência para todos nós", disse o taxista Ahmed Mustafa, que levou mulher e filho à sessão. "Mas nem tudo é ruim. Ele mostra que há progressos, que há vitórias, e que nossa causa ainda está viva e avançando."

Em 2007, a Alta Corte israelense considerou que a barreira de separação construída por Israel em Bil'in era ilegal, e ordenou um novo traçado, o que animou os ativistas. A sentença só seria implementada em 2011, mas os protestos continuam.

Na sessão de segunda-feira, humildes aldeões usando lenços palestinos quadriculados e elegantes moradores urbanos partilharam das mesmas reações viscerais a cenas que são habituais na imprensa, mas que raramente aparecem em um longa-metragem.

A imagem de oliveiras reduzidas a brasas depois de serem queimadas por colonos judeus causa óbvia perplexidade na plateia. "Ai, Deus!", disse um homem.

Mas, quando a câmera de Burnat se volta para os cânticos desafiadores entoados com o sotaque de Bil'in, ou quando pedras são atiradas na direção de jipes israelenses em fuga, o público aplaude extasiado.

O filme foi codirigido pelo cineasta e ativista israelense Guy Davidi. Essa associação levou algumas pessoas a classificarem "5 Broken Cameras" como um filme israelense, e um festival do Marrocos o rejeitou por esse motivo.

Reportagem de Noah Browning

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below