Irã protesta contra prêmio do Festival de Berlim a cineasta banido

terça-feira, 19 de fevereiro de 2013 14:32 BRT
 

By Marcus George

DUBAI, 19 Fev (Reuters) - O Irã se queixou aos organizadores do Festival de Cinema de Berlim por dar ao diretor iraniano Jafar Panahi um prêmio por um filme feito desafiando uma proibição estatal de 20 anos.

Panahi dividiu o prêmio de melhor roteiro em Berlim no sábado por "Closed Curtain" com o codiretor Kamboziya Partovi por um filme feito em segredo, que reflete os aspectos da vida de Panahi na prisão domiciliar na República Islâmica.

"Nós protestamos junto ao Festival de Cinema de Berlim. Suas autoridades devem consertar o seu comportamento, porque na troca cultural e cinematográfica, isso não é correto", disse Javad Shamaqdari, chefe da organização nacional de cinema do Irã, relatou a agência iraniana de notícias estudantil (ISNA) na segunda-feira.

O filme segue a história de duas pessoas em fuga de seguranças do Estado e é considerado por críticos como um retrato de múltiplas camadas de como as restrições ao trabalho e movimentação do cineasta o deixaram em depressão e fizeram até mesmo pensar em suicídio.

O Irã proibiu Panahi de fazer filmes por 20 anos em 2010 e ele foi condenado a 6 anos de prisão sob a acusação de "propaganda contra o Estado" após a eleição presidencial disputada de 2009.

Enquanto permanece em casa sob prisão domiciliar, Panahi anteriormente se descreveu como vítima de uma injustiça e uma declaração da Anistia Internacional publicada na época de sua condenação afirmou que ele pode ser forçado a ir a prisão a qualquer momento.

Panahi não pôde participar do festival de Berlim.