Censores chineses agora terão de tolerar heavy metal de Ai Weiwei

segunda-feira, 11 de março de 2013 15:42 BRT
 

Por Sui-Lee Wee

PEQUIM, 11 Mar (Reuters) - O artista dissidente chinês Ai Weiwei anunciou na segunda-feira planos para lançar um álbum de heavy metal que, segundo ele, "expressaria sua opinião" da mesma forma como faz com sua arte.

O corpulento e barbudo Ai disse que 81 dias de detenção secreta, em 2011, que provocou um protesto internacional, desencadeou a sua incursão na música.

"Quando fui preso, eles (os guardas) sempre me pediam para cantar músicas, mas porque eu não estava familiarizado com a música, eu tinha vergonha," afirmou o artista, de 55 anos, em uma entrevista por telefone. "Me ajudou a passar o tempo com muita facilidade."

"Tudo o que eu podia cantar eram canções do Exército de Libertação Popular chinês", disse Ai. "Depois disso, pensei: quando eu sair, gostaria de fazer algo relacionado à música."

Em setembro, um tribunal manteve uma multa de 2,4 milhões de dólares contra Ai por evasão fiscal, abrindo caminho para a sua prisão, caso ele não pague. Ai alega que as acusações foram forjadas em retaliação por suas críticas ao governo.

O artista de renome mundial tem criticado repetidamente o governo por infringir as leis e os direitos dos cidadãos.

O álbum de estreia de Ai - "Divina Commedia", nomeado em homenagem ao poema do poeta italiano Dante - é uma referência a "Ai Deus" apelido em chinês pelo qual seus partidários o chamam. "Deus" em chinês é "Shen", enquanto "Divina Commedia" em chinês é "Shen qu".

Duas canções são sobre o ativista cego Chen Guangcheng, cuja fuga da prisão domiciliar em abril passado e subsequente refúgio na Embaixada dos EUA envergonhou a China e levou a uma disputa diplomática.   Continuação...

 
Artista dissidente chinês Ai Weiwei rsponde a perguntas durante uma entrevista em seu estúdio em Pequim, em setembro de 2012. Weiwei anunciou na segunda-feira planos para lançar um álbum de heavy metal que, segundo ele, "expressaria sua opinião" da mesma forma como faz com sua arte. 27/09/2012 REUTERS/David Gray