Polícia sueca encontra drogas em ônibus de Justin Bieber

quinta-feira, 25 de abril de 2013 20:25 BRT
 

ESTOCOLMO, 25 Abr (Reuters) - A polícia sueca encontrou drogas no ônibus da turnê do ídolo adolescente Justin Bieber em Estocolmo nesta quinta-feira, mas não há suspeitos e é improvável que o caso seja levado adiante.

Um policial sentiu cheiro de maconha em um ônibus vazio do lado de fora do hotel onde Bieber estava hospedado, pouco antes de um show dele na capital sueca na quarta-feira à noite, disse o porta-voz da polícia Kjell Lindgren.

A polícia revistou o ônibus vazio, que havia levado de 10 a 15 pessoas para o local do show.

"A polícia revistou o ônibus e encontrou uma pequena quantidade de entorpecentes", disse Lindgren. "Nós não sabemos quem possuía ou consumiu as drogas, por isso vai ser difícil ligá-las a qualquer indivíduo".

As drogas foram enviadas para análise e Lindgren disse que a polícia não planeja novas medidas, a menos que receba mais informações.

Bieber está viajando pela Europa em sua turnê "Believe" e tem uma apresentação marcada na Finlândia para sexta-feira.

"Alguns dos rumores sobre mim... onde é que as pessoas conseguem mesmo essas coisas... enfim, de volta à música", Bieber escreveu no Twitter nesta quinta-feira a seus 38 milhões de seguidores após anunciar que havia chegado à Finlândia.

Representantes do cantor canadense, que começou sua carreira aos 15 anos, não comentaram o caso.

Bieber teve problemas no início deste mês após um museu dedicado a Anne Frank dizer que o jovem de 19 anos tinha escrito esperar que a jovem vítima do Holocausto fosse uma "belieber", a palavra usada para designar suas fãs.

Anne Frank, que morreu aos 15 anos no campo de concentração de Bergen-Belsen em 1945, é uma das mais conhecidas vítimas judias do Holocausto, devido a seu diário.

(Por Simon Johnson)

 
Cantor canadense Justin Bieber se apresenta em concerto no Pavilhão Atlântico, em Lisboa. A polícia sueca encontrou drogas no ônibus da turnê do ídolo adolescente Justin Bieber em Estocolmo, nesta quinta-feira, mas não há suspeitos e é improvável que o caso seja levado adiante. 11/04/2013. REUTERS/Hugo Correia