ESTREIA-Nem Leonardo DiCaprio salva o vazio de "O Grande Gatsby"

quinta-feira, 6 de junho de 2013 14:00 BRT
 

SÃO PAULO, 6 Jun (Reuters) - O cineasta australiano Baz Luhrmann nunca sai a campo se não for para tornar algo pop. Foi assim em "Romeu + Julieta" (1996), repaginando em batida rock a história dos amantes infelizes mais famosos da história. Ele repete a dose com sua nova versão de "O Grande Gatsby", associando-se novamente ao galã Leonardo DiCaprio, o ator número um da lista quando se trata de encarnar heróis românticos trágicos (basta lembrar "Titanic").

Contando ainda com dois outros ótimos atores, Tobey Maguire e Carey Mulligan, e os efeitos de espetáculo do 3D, o que poderia, então, dar errado nesta feérica retomada do romance escrito em 1925 por F. Scott Fitzgerald, já filmado quase 30 anos atrás pelo inglês Jack Clayton?

A verdade é que, apesar do inegável empenho do trio central de atores, alguma coisa pesa sobre eles, como a maldição que, finalmente, engole Jay Gabsby (DiCaprio), Daisy Buchanan (Carey) e Nick Carraway (Maguire). Nada disso vem da história original, mas dessa postura espalhafatosa do próprio Luhrmann - que serve até bem às cenas de festas e danças, mas termina por se apoderar de todo o drama em si, perdendo o foco. Na versão 3D, esse vazio luxuoso fica ainda mais evidente.

Luhrmann empenhou-se muito em trazer a história para a atualidade por todas as formas que lhe pareceram compatíveis, especialmente a música. Assim, como acontecia com "Maria Antonieta", de Sofia Coppola, misturam-se na trilha os contemporâneos Beyoncé, Bryan Ferry, André 3000, o jazz dos anos 1920 e os irmãos George e Ira Gershwin. Nenhum problema, afinal, não é isso que contamina o filme, mas sua vasta coleção de excessos que termina por vampirizar o romance impossível de Gatsby e Daisy, artificializando-o como um produto enfeitado demais numa vitrine de shopping center.

Para quem assistiu ao sóbrio e requintado filme de 1974 (estrelado por Robert Redford e uma Mia Farrow que era, certamente, bem menos interessante do que Carey Mulligan), alguns cenários são mostrados com mais detalhes. É o caso do "Vale das cinzas", bairro operário dos arredores de Nova York, transformado num verdadeiro paradigma de uma Revolução Industrial já fora de época e que retrata a brutalização do ambiente pelas condições desumanas do trabalho das classes menos favorecidas.

O contraste entre este mundo deprimente e as esfuziantes festas da mansão Gatsby - um milionário novo-rico com obscuras ligações no submundo, mas internamente consumido por uma obsessão romântica por uma mulher casada e frágil - pretende formular um comentário sobre a crise econômica e a irresponsabilidade dos muito ricos. Mas a moldura em que isto e tudo o mais é inserido, finalmente, desaba. "O Grande Gatsby", o filme, não passa de uma casca, colorida, brilhante, mas que não oculta nenhuma substância autêntica por trás.

(Por Neusa Barbosa, do Cineweb)

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

 
Diretor Baz Luhrmann posa para fotos no tapete vermelho da estreia australiana do filme "O Grande Gatsby" em Sydney, 22 de maio de 2013. Luhrmann nunca sai a campo se não for para tornar algo pop. Foi assim em "Romeu + Julieta" (1996), repaginando em batida rock a história dos amantes infelizes mais famosos da história. Ele repete a dose com sua nova versão de "O Grande Gatsby", associando-se novamente ao galã Leonardo DiCaprio, o ator número um da lista quando se trata de encarnar heróis românticos trágicos (basta lembrar "Titanic"). 22/05/2013 REUTERS/Daniel Munoz