ESTREIA-Falso sequestro transforma vida da protagonista em "Chamada a Cobrar"

quinta-feira, 20 de junho de 2013 08:50 BRT
 

SÃO PAULO, 20 Jun (Reuters) - "Chamada a Cobrar", novo filme de Anna Muylaert ("É Proibido Fumar"), começou como um projeto para ser exibido na TV Cultura, em 2009, com o título "Para Aceitá-la, Continue na Linha". Depois disso, o longa passou por algumas transformações e chega aos cinemas numa versão diferente, depois de fazer parte da Mostra de São Paulo 2012.

Clarinha (Beth Dorgam) recebe um telefonema a cobrar, e do outro lado, uma voz anuncia o sequestro de alguém de sua família. Em pânico, a mulher começa a seguir todas as instruções do suposto sequestrador.

Dona-de-casa de classe média alta, a personagem é uma mãe controladora -embora as filhas já tenham saído de casa- e uma mulher solitária, que conta apenas com a companhia do cachorro e uma relação distante com a empregada.

No trote, o bandido (Pierre Santos) diz estar com sua filha Cristina (Maria Manoella). O filme se torna um road movie dessa mulher em direção ao alegado cativeiro da moça.

A diretora, que também assina o roteiro, estabelece relações entre esses dois personagens tão distantes (ele no Rio, ela em São Paulo), mas, ao mesmo tempo, tão próximos pelo telefone.

Os pedidos do sequestrador começam com cartões de celular pré-pago, passando por sapatos para crianças e bichos de pelúcia. Tudo isso, enquanto Clarinha está na estrada rumo ao Rio de Janeiro. Ao mesmo tempo, depois de acionadas pela empregada, as filhas resolvem procurar a polícia.

No fim, conta mais a jornada em si do que o seu destino. A viagem para o Rio de Janeiro e o diálogo que se estabelece com o falso sequestrador são catalisadores de transformações que atingem não apenas a protagonista, mas também o bandido e as filhas dela.

Aqui, a diretora não atinge a mesma complexidade - uma combinação entre o inusitado, terno e engraçado - que caracteriza os seus longas anteriores. Ainda assim, a interpretação de Beth Dorgam é grandiosa.

(Por Alysson Oliveira, do Cineweb)

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb