ESTREIA-Almodóvar volta à comédia escrachada em "Os Amantes Passageiros"

quinta-feira, 27 de junho de 2013 13:48 BRT
 

SÃO PAULO, 27 Jun (Reuters) - O bom e velho Almodóvar está de volta. Aquele Almodóvar anárquico, politicamente incorreto, que expressa o coração de uma Espanha que não se parece em nada com o daquele país que se endividou para sentar na janelinha do Airbus europeu e hoje amarga os resultados de uma profunda crise econômica.

Quem esperou para ver um trabalho autoral do diretor espanhol, que já tem dois Oscars na prateleira (de melhor filme estrangeiro, por "Tudo sobre minha Mãe", e de roteiro original, por "Fale com Ela"), pode até se decepcionar com "Os Amantes Passageiros".

Pedro Almodóvar está apenas interessado em divertir a plateia com uma comédia absurda, de puro besteirol e que lembra muito seus primeiros trabalhos, como "Pepi, Luci, Bom e outras Garotas de Montão", "Labirinto de Paixões" e "Maus Hábitos".

O diretor, agora cult e sofisticado, parece ter dado um tempo nos trabalhos mais "sérios" e redespertado seu alter ego da "movida" madrilenha. Como se nos alertasse: "Continuo o mesmo".

É preciso estar de mal com o mundo para não dar boas risadas com a louca tripulação de um avião que deixa a Espanha com destino ao México e, no meio do caminho, tem que mudar os planos de vôo, pois descobre que o trem de aterrissagem não funciona.

O motivo do problema vai aparecer logo nas primeiras cenas, com uma ponta afetiva de Antonio Banderas e Penélope Cruz. Mas como contar a situação de emergência para os passageiros sem causar pânico a bordo? A tática escolhida é que vai permitir que apenas alguns personagens fiquem em evidência.

A solução é muito original e não pode ser revelada sob pena de estragar a surpresa.

O que pode ser dito é que jamais houve uma tripulação e passageiros tão bizarros como os que estão a bordo dessa companhia fictícia, incluindo uma mulher de meia-idade ainda virgem (Lola Dueñas), com poderes paranormais, um matador de aluguel (José Maria Yazpik) e a dona de uma rede de bordéis frequentada pelo alto escalão da política espanhola (Cecilia Roth).

Ainda, um casal de namorados em êxtase sexual (Laya Martí e Miguel Ángel Silvestre) e um astro de novelas mulherengo (Guillermo Toledo) que acabou de abandonar a namorada (Paz Vega), a qual está prestes a cometer suicídio. Sem contar o piloto (Antonio de la Torre) e o co-piloto (Benito Morón) e seus imbróglios sexuais.   Continuação...