ESTREIA-"Truque de Mestre" retrata bastidores do universo dos mágicos

quinta-feira, 4 de julho de 2013 08:17 BRT
 

SÃO PAULO, 4 Jul (Reuters) - "Truque de Mestre" é um filme que, se fosse feito por Mister M, aquele mágico que revelava os segredos da profissão, teria chance de ser mais interessante e menos desgovernado do que esse dirigido por Louis Leterrier ("Fúria de Titãs").

A história começa com a promessa de que seus protagonistas vão revelar como se tira um coelho da cartola, mas se transforma numa fábula à lá Robin Hood e evolui para chegar a uma perseguição de carros típica de filmes de ação - tudo isso, sem parecer ter saído do lugar.

Os protagonistas são um grupo que se intitula "Os Quatro Cavaleiros", formado por J. Daniel Atlas (Jesse Eisenberg), seu líder, especialista em truques com cartas, Merritt McKinney (Woody Harrelson), mentalista que hipnotiza pessoas e tira delas os segredos mais íntimos, Jack Wilder (Dave Franco), cuja habilidade é roubar carteiras, e Henley Reeves (Isla Fisher), garota capaz de sair de se livrar de correntes e sair de um tanque cheio de piranhas. Eles são recrutados por um personagem misterioso para cumprir um plano.

Em seu primeiro show em Las Vegas, eles transportam um espectador francês até um banco em Paris e, com um equipamento, são capazes de sugar as notas do cofre da instituição e despejá-las sobre uma plateia ávida pelo dinheiro.

O roubo, por assim dizer, chama a atenção da polícia da França, que manda para os Estados Unidos uma jovem investigadora, Alma (Mélanie Laurent, de "Bastardos Inglórios"), que ao lado de um agente do FBI, Dylan Rhodes (Mark Ruffalo), começa a investigar os mágicos.

Os shows se transformam em verdadeiras operações Robin Hood, tirando dinheiro de ricos e distribuindo ao público das apresentações. Uma delas envolve um milionário, interpretado por Michael Caine, que patrocina os mágicos.

Além do FBI, os Cavaleiros são investigados também por Thaddeus Bradley (Morgan Freeman), um homem que passou a vida registrando truques de mágica e desmascarando-os. Porém, por mais que se esforce, ainda não descobriu o que está por trás deste quarteto.

A direção pouco inspirada de Leterrier parece estar no piloto automático. As reviravoltas e a surpresa final da trama também não ajudam muito - são previsíveis ou exageradas. E, por mais que o elenco seja esforçado, raramente consegue superar esses problemas, que não dependem unicamente dele. Ao final, "Truque de Mestre" é tão implausível quanto as peripécias mágicas de seus personagens.

(Por Alysson Oliveira, do Cineweb)

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb