ESTREIA-Marco Bellocchio discute liberdade individual em "A Bela que Dorme"

quinta-feira, 4 de julho de 2013 15:20 BRT
 

SÃO PAULO, 4 Jul (Reuters) - Desde o seu longa de estreia, "De Punhos Cerrados" (65) - realizado quando tinha apenas 26 anos -, o diretor italiano Marco Bellocchio define os pontos cardeais de um universo temático, que vem explorando ao longo de mais de quatro décadas com notável liberdade de pensamento e coerência: a família, a religião e o poder instituído, seja na política, na polícia ou no sistema hospitalar.

O pessoal e o coletivo se unem, mais uma vez, em "A Bela que Dorme", o mais recente trabalho do cineasta, que competiu pelo Leão de Ouro no Festival de Veneza em 2012 e estreia em São Paulo e Belo Horizonte.

A história parte de um evento real, o caso Eluana Englaro, moça que ficou por 17 anos em coma na Itália e cujo pai lutou na justiça para desligar os aparelhos que a mantinham viva, em 2009.

Sem citar o nome de Eluana, mas remetendo claramente à batalha judicial e parlamentar que sacudiu a Itália em torno da eutanásia, Bellocchio afasta-se cada vez mais dos acontecimentos reais, usando-os como pretexto e pano de fundo para ficcionalizar e falar do que lhe interessa. Ou seja, de como o institucional pesa sobre a vida pessoal e vice-versa, em prejuízo da liberdade de pensamento e ação.

Toni Servillo interpreta Uliano Beffardi, um senador que passou pela dramática escolha de desligar os aparelhos da própria mulher, ganhando a oposição da filha, Maria (Alba Rohrwacher), que se torna uma militante pró-vida, mas se apaixona por um rapaz que defende posições opostas, Roberto (Michele Rondino).

Agora, o senador deve votar contra ou a favor de um projeto de lei que procura restringir a liberdade de decisão de familiares em caso da manutenção do suporte de vida a pacientes cronicamente incapacitados.

Isabelle Huppert atua como a Divina Madre, uma grande atriz que abandonou a carreira para cuidar da filha jovem, presa a um coma sem solução à vista. Maya Sansa, atriz de "Bom Dia, Noite", aqui é Rossa, uma drogada que tenta se suicidar, impedida por um médico, o persistente doutor Pallido (Pier Giorgio Bellocchio).

O veterano Roberto Herlitzka (o Aldo Moro em "Bom dia, Noite") interpreta um político e psiquiatra, a quem cabem alguns dos melhores diálogos deste filme profundamente contemporâneo e rico em significados, ao qual não falta uma ironia da melhor qualidade, fora a criatividade visual.

As sequências que mostram os políticos numa espécie de sauna, envolvidos em panos brancos, lembrando os antigos senadores romanos, diante da televisão que acompanha a votação do projeto de lei, estão entre algumas de suas melhores imagens.   Continuação...