"R.I.P.D." é mais uma superprodução a naufragar nas bilheterias

segunda-feira, 22 de julho de 2013 09:56 BRT
 

Por Ronald Grover e Lisa Richwine

LOS ANGELES, 22 Jul (Reuters) - "R.I.P.D.", mistura de comédia e ficção científica produzida pelo estúdio Universal, e "Turbo", animação da Dreamworks, levaram uma surra nas bilheterias em seu fim de semana de estreia, repetindo o fiasco das últimas semanas de outros filmes com orçamento superior a 100 milhões de dólares.

"R.I.P.D.", com Jeff Bridges e Ryan Reynolds no elenco, custou 130 milhões de dólares, sem contar dezenas de milhões adicionais gastos na divulgação. Em seus três dias de estreia, o filme faturou 12,8 milhões de dólares, ficando apenas em sétimo lugar no ranking do fim de semana, segundo o site Hollywood.com.

"Turbo", que custou 135 milhões de dólares e teve distribuição da Fox, faturou 21,5 milhões de dólares no fim de semana de estreia, ocupando uma modesta terceira colocação. A liderança ficou com o terror "Invocação do Mal" e com "Meu Malvado Favorito 2", que continuou tendo um bom resultado na sua terceira semana em cartaz.

"Sempre haverá filmes que tinham sinal verde há dois anos e que não vão se dar bem", disse Nikki Rocco, presidente da unidade de distribuição da Universal, referindo-se a "R.I.P.D.". "Haverá vezes em que os filmes simplesmente não funcionam. Isso não é novidade."

No entanto, analistas dizem que os recentes fracassos podem levar os estúdios a reverem a expectativa contábil das suas grandes produções -- um golpe para um setor que valoriza a ostentação, os jatinhos particulares e as férias na Europa.

O analista Anthony Wible, da consultoria Janney Montgomery Scott, disse que a Disney provavelmente irá reduzir a previsão de faturamento do western "O Cavaleiro Solitário", com Johnny Depp, e que a Sony irá rever as expectativas para "Depois da Terra", aventura de ficção científica com Will Smith.

Doug Creutz, analista da Cowen and Company, anteviu também uma revisão na avaliação financeira de "Turbo". Na semana passada, Creutz havia estimado que o filme contribuirá para que os dividendos da companhia caiam de 0,72 dólar por ação em 2012 para 0,25 dólar por ação neste ano.

"É um pouco cedo", disse Chris Aronson, diretor de distribuição doméstica da Fox, referindo-se a "Turbo". O filme, segundo ele, foi bem recebido em exibições-testes para plateias com até 25 anos de idade, "o que é um bom prenuncio para a operabilidade, já que esse é o nosso público alvo".

Aronson disse que a Fox espera um bom resultado para o filme no exterior, que geralmente é um bom mercado para filmes da Dreamworks.

(Reportagem de Ronald Grover e Chris Michaud)