ESTREIA-"Flores Raras" retrata paixão entre poeta e paisagista no Brasil em crise

quinta-feira, 15 de agosto de 2013 14:45 BRT
 

SÃO PAULO, 15 Ago (Reuters) - A relação entre a poeta norte-americana Elizabeth Bishop (1911-1979) e a paisagista brasileira Lota de Macedo Soares (1910-1967) é o tipo da história que pede para ser contada. Além do romance entre duas mulheres criativas, inteligentes e ousadas, e seus naturais choques pessoais e culturais, surge aí a possibilidade de um retrato de época do efervescente Brasil do início dos anos 1950 e 1960, atropelado pela ditadura militar, e tantos outros temas, comportamentais e políticos, que poderiam caber num filme.

"Flores Raras", o filme do diretor Bruno Barreto que tenta dar conta de alguns aspectos dessa fascinante história, tem alguns trunfos a seu favor, o principal deles a presença de duas atrizes experientes e carismáticas: a brasileira Glória Pires para o papel de Lota e a australiana Miranda Otto como Elizabeth.

Se o filme tem alguma carga de emoção, isto se deve sobretudo à entrega das duas intérpretes que, não raro, superam as limitações de um roteiro irregular, que passou por várias mãos - primeiro Carolina Kotscho, depois Matthew Chapman e Julie Sayres, tendo como ponto de partida a biografia de Carmem L. Oliveira, "Flores Raras e Banalíssimas", que inspirou o título do filme.

Incomoda, especialmente, uma inadequação da direção das atrizes, que se observa particularmente em Glória Pires, em alguns momentos, transformando a impetuosidade e energia de sua Lota numa caricatura de masculinidade forçada.

Sai-se melhor Miranda Otto para encarnar a delicadeza instável da poeta, sofrendo de alcoolismo e depressão e que vai desabrochar no Brasil sua personalidade literária mais profunda, vencendo, enquanto vivia aqui, seu primeiro prêmio importante, o Pulitzer, em 1956.

O filme apresenta uma figura menos conhecida, e o terceiro vértice de um triângulo amoroso, a norte-americana Mary (Tracy Middendorf). Companheira de Lota, ela era ex-colega de Elizabeth na Universidade de Vassar. A poeta vem visitá-la, em 1951, no auge de uma crise pessoal. É aí que Lota se apaixona por Elizabeth, iniciando-se uma relação que duraria quase 20 anos.

O contexto histórico e cultural, aspecto importante num filme que transita entre dois países e duas culturas, num momento histórico muito rico, é outro aspecto em que roteiro e direção falham.

Por mais que o foco seja a relação entre as protagonistas, há diversos momentos em que a realidade política permeia sua história, até porque um dos melhores amigos de Lota era o jornalista e político Carlos Lacerda (Marcello Airoldi).

O retrato de Lacerda, aliás, é uma das maiores inconsistências históricas do enredo, edulcorando a figura do político, conspirador de primeira hora, quando governador da então Guanabara, a favor do golpe de 1964. Este e outros aspectos passam ao largo, atenuando-se o lado mais polêmico de Lacerda, apresentado como um intelectual tranquilo, que falava tão bem o inglês, além de um governador de visão, que chamou Lota para idealizar o Parque do Flamengo.   Continuação...