ESTREIA-"Se Puder... Dirija" inova no 3D, mas se perde nas piadas

quinta-feira, 29 de agosto de 2013 11:59 BRT
 

SÃO PAULO, 29 Ago (Reuters) - "Se Puder... Dirija" entra para a história do cinema brasileiro como o primeiro filme de não animação nacional realizado e exibido em 3D. Embora tecnicamente bem cuidado, não há nada que justifique a novidade tecnológica.

Escrita e dirigida por Paulo Fontenelle, essa é uma comédia sem muita graça. O próprio ator e comediante Luiz Fernando Guimarães parece desconfortável no papel de João, manobrista de um estacionamento que só causa decepções ao seu filho de 4 anos, Quinho (Gabriel Palhares), e à sua ex-mulher, Ana (Lavinia Vlasak).

Depois de chegar atrasado no final da festa de aniversário do filho, ele promete que vai passar seu dia de folga com o menino e participar de uma gincana na escola.

Mas tudo dá errado: João tem que trabalhar e, cobrado pela ex-mulher para ir buscar o menino na escola, decide pegar o carro de uma cliente (Barbara Paz) e cumprir sua missão. Na volta para o trabalho, com o menino e seu cachorro flatulento no banco de trás, começam os problemas. Eles são vitimas de dois assaltantes (Sandro Rocha e Alcemar Vieira), atropelam um ciclista (Reynaldo Gianecchini) e são multados por um guarda (Eri Johnson), entre outras coisas.

O grande problema em "Se Puder... Dirija" é a falta de graça das situações mal resolvidas ou dos diálogos. Ao contrário de comédias de sucesso recente, como "Minha Mãe É Uma Peça" ou "Até que a Sorte nos Separe", a história não faz rir em nenhum momento. Guimarães parece desconfortável e desprovido de oportunidades para exercitar seu humor. E ele é bom nisso, vide os dois "Os Normais" ou os diversos programas televisivos, especialmente "TV Pirata". Apenas Leandro Hassum, como colega de trabalho de João, consegue a proeza de alguns momentos engraçados, tentando encobrir a escapada do outro.

O que fica parecendo em "Se Puder... Dirija" é que todo o esforço foi colocado no campo técnico, deixando de lado coisas básicas, como um bom roteiro com algum momento engraçado ou boas atuações do elenco.

(Por Alysson Oliveira, do Cineweb)

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb