Morre apresentador David Frost, famoso por entrevista com Nixon

domingo, 1 de setembro de 2013 13:39 BRT
 

Por Costas Pitas

LONDRES, 1 Set (Reuters) - O apresentador de televisão britânico David Frost, um mestre da entrevista, famoso por persuadir o ex-presidente norte-americano Richard Nixon a fazer um pedido de desculpas pelo escândalo do Watergate, morreu a bordo de um cruzeiro, informou sua família no domingo.

Aos 74 anos, ele sofreu um ataque cardíaco na noite de sábado a bordo de um navio de luxo, onde ele faria uma palestra. Sua morte repentina trouxe homenagens de celebridades internacionais e líderes políticos, muitos dos quais o chamaram de um bom amigo e de um entrevistador perspicaz.

"David Frost morreu de um ataque cardíaco na noite passada a bordo do Queen Elizabeth, onde ele faria um discurso", disse sua família em um comunicado.

O site do navio informa que a embarcação deixou o porto inglês de Southampton, no sábado, com destino a Lisboa.

Um nome conhecido na Grã-Bretanha desde 1962, quando começou na televisão com o programa cômico "That Was The Week That Was", Frost garantiu sua reputação com as entrevistas como a de Nixon de 1977.

No encontro com o ex-presidente, dramatizado no filme "Frost/Nixon" de 2008, o apresentador britânico de talk-show discutiu com o entrevistado durante horas provocando um momento de drama histórico - Nixon pediu desculpas pela escuta de rivais democratas no edifício Watergate de Washington e pelas tentativas de abafar o caso.

"Eu sinto muito", Nixon finalmente confessou a Frost. "Decepcionei meus amigos, decepcionei o país, decepcionei os americanos. E terei que levar este peso para o resto de minha vida."

 
Foto de arquivo do apresentador de televisão britânico David Frost durante cerimônia de premiação da revista GQ Men, em Londres. Frost, um mestre da entrevista, famoso por persuadir o ex-presidente norte-americano Richard Nixon a fazer um pedido de desculpas pelo escândalo do Watergate, morreu a bordo de um cruzeiro, informou sua família no domingo. 07/09/2010 REUTERS/Luke MacGregor