Diretor de marketing tenta provar que Veneza não é só filme de arte

terça-feira, 3 de setembro de 2013 19:31 BRT
 

VENEZA, Itália, 3 Set (Reuters) - O Festival de Cinema de Veneza, o mais antigo do mundo, é conhecido por valorizar a arte cinematográfica em detrimento do seu caráter comercial. A missão do seu diretor de marketing é provar que o evento também gera negócios.

Os atores, cineastas e produtores que chegam de lancha ou Maserati à ilha do Lido, sede do festival, geralmente se comportam como se estivessem de férias, acenando para os fãs, dando autógrafos e bailando no tapete vermelho.

"O negócio e Veneza é estar na competição, e artisticamente dá muito prestígio, mas que eu saiba esse não é o capital de todas as transações com filmes", disse à Reuters Xavier Dolan, diretor do filme franco-canadense "Tom a la Ferme".

Durante anos, Veneza nem tentava ser um local para transações com distribuidoras, o que ficava para Cannes, Berlim e Toronto, cujo festival começa nesta semana.

Isso mudou no ano passado, com a abertura da feira Venice Film Market, uma iniciativa do diretor artístico do festival, Alberto Barbera. "A feira está crescendo aqui", disse Barbera à Reuters.

"Não estou dizendo que cumprimos todos os objetivos que temos para a feira. Estou dizendo que pouco a pouco a feira será um compromisso importantíssimo no calendário das feiras internacionais."

O festival termina no sábado, e o único negócio importante anunciado até agora foi a compra dos direitos para os Estados Unidos de "Tracks", do australiano John Curran.

(Por Michael Roddy e Isla Binnie)