PERFIL-Alice Munro é mestre na arte do conto

sexta-feira, 11 de outubro de 2013 20:22 BRT
 

Por Cameron French

TORONTO, 10 Out (Reuters) - A escritora canadense Alice Munro, anunciada na quinta-feira como ganhadora do Prêmio Nobel de Literatura, declara-se uma viciada em contos, e obteve louvor internacional por sua história de lutas, amores e tragédias femininas no interior do Canadá.

É a segunda vez que um autor nascido no Canadá ganha o prêmio. Mas Saul Bellow, que nasceu no Québec e ganhou o Nobel em 1976, foi criado em Chicago e é amplamente visto como um escritor norte-americano.

Alice Munro, de 82 anos, ganhou o prêmio Man Booker International em 2009 e costumava aparecer como candidata ao Nobel, destacando-se num cenário que tende a valorizar mais o romance do que as narrativas curtas.

Em 2009, após receber o Man Booker, ela contou ao Wall Street Journal que costumava tentar escrever romances, mas que "não chegava a lugar algum".

"O romance sempre desmoronava no meio do caminho, e eu perdia o interesse nele, não parecia nada bom e eu não persistia", disse.

Em vez disso, ela publicou uma série de coletâneas de contos altamente elogiadas, começando com "Dance of the Happy Shades", de 1968.

Além do Man Booker, ela recebeu em duas ocasiões o prêmio Giller, principal distinção literária do seu país, e três vezes o Prêmio Governador Geral do Canadá, dado a autores de ficção.

Em 2009, ela retirou sua coletânea "Felicidade Demais" da disputa pelo Giller, dizendo que preferia dar espaço a autores mais jovens e menos conceituados.   Continuação...