30 de Outubro de 2013 / às 16:34 / 4 anos atrás

Jared Leto fala sobre a volta ao cinema no papel de um transsexual

Por Piya Sinha-Roy

LOS ANGELES, 30 Out (Reuters) - Depois de fazer a transição de conquistador de corações de Hollywood para ator aclamado pela crítica, e de se tornar um vocalista de banda de rock de sucesso mundial, Jared Leto enfrenta, em seu retorno ao cinema, um de seus maiores desafios até hoje: interpretar um paciente transsexual com HIV.

"Dallas Buyers Club", com estreia marcada para sexta-feira nos Estados Unidos, se baseia em uma história verídica. Leto, de 41 anos, interpreta Rayon, um transsexual com Aids que ajuda o viciado em drogas Ron Woodruff (Matthew McConaughey), um homofóbico, a contrabandear remédios de que precisa, mas que não são aprovados nos Estados Unidos para outros pacientes soropositivos.

Leto, que ficou famoso como um complicado adolescente no seriado de TV "Minha Vida de Cão", dos anos 1990, em "Clube da Luta", de 1999, "Réquiem para um Sonho", de 2000, e "O Quarto de Pânico", de 2002, mais recentemente se dedicou a ser o vocalista da banda de rock 30 Seconds to Mars. Rayon é o seu primeiro papel no cinema nos últimos cinco anos.

Leto falou à Reuters sobre por que foi atraído de volta à carreira de ator e o que aprendeu sobre Hollywood nos seus filmes e na música.

P: Você desenvolveu uma carreira muito bem-sucedida na música e que parece mantê-lo ocupado por tempo integral, O que o trouxe de volta ao cinema depois de cinco anos longe?

R: Eu me apaixonei. Fui seduzido pela ideia de levar (Rayon) à vida. Eu a vi como uma sonhadora incrivelmente graciosa, amável, engraçada, divertida, um grande coração, e não pude dizer não.

P: Como você interpreta o relacionamento que sua personagem estabelece com Ron, de Matthew McConaughey?

R: Eles precisam um do outro. Ron, por fim, precisa de Rayon porque ela o transforma e eu acho que Ron provê uma certa figura paterna para Rayon. Eles se ajudam um ao outro naquela luta, naquela batalha para estar vivo.

P: Você passou por uma transformação física extrema para transmitir os sintomas de uma personagem soropositiva. Como foi esse desafio?

R: Foi um dos papéis mais desafiadores que eu fiz, física e emocionalmente. Mas quando eu li isso, achei que era uma subida muito íngreme, e eu queria andar por esse caminho.

Comecei indo até onde a pesquisa pode chegar, escutando, me encontrando com pessoas transsexuais, aprendendo sobre cultura. Então, surgiu uma série de outros desafios, da voz, dialeto, registro, centro do corpo, movimento, condições emocionais e circunstâncias. E, depois, os saltos, a depilação do corpo, a remoção das sobrancelhas, a perda de 13 a 18 quilos. Assim, havia muita coisa, mas foi uma experiência incrível e fascinante.

P: Como foi o desafio de perder peso?

R: Foi totalmente brutal, como deveria ser. Mas a perda de peso é realmente importante porque altera o modo como você anda e fala, o modo como as pessoas te tratam e o modo como você se sente consigo mesmo. Portanto, se tornou uma ferramenta de fato essencial.

P: A interpretação de Rayon não só te trouxe a aclamação da crítica, mas provocou um burburinho sobre premiação. Qual a importância para você de ser reconhecido com prêmios?

R: Oh, para mim certamente não é importante ter, porque eu nunca, jamais tive. Não estou em busca. Se fosse importante, eu faria filmes com mais frequência, mas é absolutamente maravilhoso que esteja acontecendo agora. É ótimo, é incrível celebrar a arte e a criatividade em um filme e na performance, sim, acho que é ótimo. Há as pessoas que viram a cara, não entendo a amargura disso.

O lado engraçado da arte e sucesso é que você fracassa o tempo todo, você só faz sucesso às vezes. Você fracassa muito mais do que vence, há todos os tipos de fracasso o tempo todo e, de vez em quando, alguma coisa acontece, e você comemora.

P: Como sua música contribui para sua atuação?

R: Eu não estava procurando fazer um filme. Não fiz um filme em cinco ou seis anos, e fiquei anos sem ler um roteiro. Essa é uma coisa muito louca pra fazer: depois de ter trabalhado tão duro no ramo, andar num caminho diferente. Mas acho que foi realmente algo muito bom pra eu fazer. Acho que me tornou um ator melhor. Me deu mais com que contribuir por causa das experiências que eu tive com a 30 Seconds to Mars e também na minha vida.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below