ESTREIA-Filme argentino retrata início do romance entre Perón e Evita

quinta-feira, 7 de novembro de 2013 14:37 BRST
 

SÃO PAULO, 7 Nov (Reuters) - Personagens centrais da história e do imaginário argentino, Juan Domingo Perón e Eva Duarte são focalizados no drama romântico "Juan e Evita - Uma História de Amor", de Paula Luque, por um prisma mais pessoal do que político. O título brasileiro, que enfatiza o romance, não faz mais do que reforçar esse tom.

Em se tratando de Perón, que foi por três vezes presidente argentino e inspirou um partido com seu nome, a política evidentemente não pode ser ignorada. Mas a relação do então coronel e vice-presidente Perón (Osmar Núñez) com a atriz radiofônica Eva Duarte (Julieta Diaz) a todo momento vai se infiltrar na sua vida pública. Fora a grande diferença de idade entre os dois - 24 anos -, causa escândalo que não sejam casados, apesar de ela ser solteira e ele viúvo, o que não impede que ela compareça a todos os eventos públicos de que ele participa como primeira-dama real.

Esse enredo de novelão enfraquece aquilo que o filme parece querer dizer a respeito de seus protagonistas. A opção por um enfoque intimista desfavorece especialmente a figura de Evita. Ela apenas aparece como sombra de Perón, longe ainda de assumir o protagonismo que a levou a ser conhecida como a "mãe dos descamisados", cuja morte aos 33 anos deixou uma nação órfã, transformando-a no mais cultuado mito da história recente da Argentina.

A opção da diretora Paula Luque é mostrar Eva como uma mulher apaixonada, disposta a tudo para defender Perón das conspirações no meio militar que causaram seu afastamento dos cargos que exercia e sua prisão - da qual saiu para eleger-se, um ano depois, em 1946, para seu primeiro mandato presidencial, já casado com Eva. Assim fazendo, esvazia a complexidade das personalidades e do contexto político.

(Por Neusa Barbosa, do Cineweb)

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb