Putin é acusado de táticas soviéticas na elaboração de novo livro de história

segunda-feira, 18 de novembro de 2013 18:21 BRST
 

MOSCOU, 18 Nov (Reuters) - Um pedido do presidente Vladimir Putin por um novo livro que reconcilie diferenças sobre o passado da Rússia deixou-o frente a acusações de copiar os líderes soviéticos ao reescrever a história para fins políticos.

O ex-espião soviético pediu aos historiadores em fevereiro que propusessem diretrizes para novos livros escolares de história que fornecessem uma versão unificada dos muitos eventos difíceis na história russa e soviética.

Sempre será uma tarefa árdua em um país onde líderes comunistas como Josef Stálin apagavam inimigos de fotografias e viam a história como uma arma política. Mas não é a interpretação de eventos como as repressões em massa e os julgamentos-espetáculo na era soviética que está provocando barulho.

As diretrizes, esboçadas por historiadores escolhidos por Putin, não contêm críticas ao presidente, nenhuma referência aos protestos contra ele em 2011 e 2012 e nenhuma menção do ex-magnata aprisionado e inimigo do Kremlin, Mikhail Khodorkovsky.

"Foi uma ordem política simples - justificar as autoridades governantes, explicar que elas estão fazendo tudo certo", disse Vladimir Ryzhkov, historiador e ex-parlamentar da oposição.

Os críticos apresentam o plano como um projeto de vaidade para aumentar o crédito político de Putin depois dos protestos, que prejudicaram seus índices enquanto ele se prepara para um terceiro mandato presidencial. Alguns veem similaridades desconfortáveis com o passado soviético.

"A bênção de Putin a qualquer projeto nacional no ensino médio irá marcar uma nova versão da velha prática imperial soviética", disse o historiador Mark Von Hagen, um especialista em Rússia da Arizona State University nos Estados Unidos.

"Temo que qualquer história aprovada por Putin e redigida por seu séquito de historiadores afirme o antigo... juízo de que a Rússia precisa de governantes autocratas fortes e de uma fé, a ortodoxia, uma cultura ‘multinacional' que seja fala e escrita em russo".

O porta-voz de Putin, Dmitry Peskov, disse que o Kremlin estava agora observando as diretrizes e negou as acusações de que eram uma tentativa de interpretar o passado para se adequar à atual agenda política.

"Não se pode reescrever a história", afirmou Peskov.

(Por Gabriela Baczynska)