Superprodução "Pelé" traz final da Copa mais cedo ao Rio de Janeiro

segunda-feira, 25 de novembro de 2013 13:12 BRST
 

Por Felipe Pontes

RIO DE JANEIRO, 25 Nov (Reuters) - Em pouco mais de uma hora o capitão da Suécia, Nils Liedholm, marcou dezenas de vezes seguidas contra o gol do brasileiro Gilmar, em plena final da Copa do Mundo. Câmeras filmaram tudo, enquanto os jornalistas à beira do gramado, de terno, gravata e chapéu sob o sol a pino, exibiam feições sempre de inédita surpresa. Ao redor, o silêncio das arquibancadas desertas.

A cena irreal aconteceu no estádio do clube América, no Rio de Janeiro, e para alívio dos torcedores brasileiros, não passa de ficção. É lá, e nos campos do Bangu e da Portuguesa carioca, que estão sendo reconstituídas as principais partidas da Copa do Mundo de 1958 para o filme "Pelé", cinebiografia sobre os anos de formação do "rei do futebol".

As filmagens, que começaram há duas semanas e seguem em ritmo acelerado até o final de novembro no Rio, contam com uma estrutura hollywoodiana para encenar repetidas vezes e nos mínimos detalhes os lances mais dramáticos da campanha que levou o Brasil ao seu primeiro título mundial. Foi quando o garoto Pelé se consagrou, aos 17 anos, como gênio da bola e se tornou o jogador mais jovem a marcar em uma final de Copa do Mundo.

"Fisicamente menor do que a maioria dos homens em campo, ele certamente tinha menos experiência de vida do que boa parte dos que estavam no estádio", disse um dos diretores, Jeff Zimbalist, à Reuters. "É um garoto que tem que amadurecer e aprender o seu lugar no mundo mais rápido do que qualquer ser humano que eu consiga imaginar", descreveu Jeff sobre o personagem.

O foco do filme nos primeiros anos de vida de Pelé foi definido através de diversas entrevistas com o ex-jogador, iniciadas na Olimpíada de Londres-2012 e das quais surgiu o roteiro, escrito por Jeff e seu irmão Michael, também diretor do longa.

"Esse é um período com o qual grandes audiências podem se identificar, quando o herói ainda é humano", avaliou o produtor da Seine Pictures Ivan Orlic, responsável por acompanhar as filmagens no Brasil. Os produtores apostam na estreia em maio de 2014, semanas antes do início da Copa do Mundo no Brasil.

Os Zimbalist exploram a ideia de que a transformação de Edson Arantes do Nascimento em Pelé serve de alegoria para um momento quando "o Brasil, em sua história, precisava desesperadamente de um senso de identidade, de abraçar o que realmente era, em vez de imitar uma suposta superioridade europeia", ressaltou Jeff.

Interessados em estudar as relações entre o futebol e as identidades nacionais, os irmãos têm no currículo "The Two Escobars", documentário sobre a suposta ligação entre a derrocada de Pablo Escobar, o traficante, e a morte de Andrés Escobar, jogador de futebol colombiano assassinado após marcar um gol contra que resultou na eliminação da Colômbia na Copa de 1994.   Continuação...

 
Ator Leonardo Carvalho, que interpreta o jogador Pelé quando criança, cabeceia bola de meia durante as gravações da cinebiografia "Pelé", em Citrolândia, Rio de Janeiro, nesta foto de divulgação. 10/11/13. REUTERS/Divulgação/Ique Esteves