ESTREIA-"Trem Noturno para Lisboa" adapta bestseller com elenco internacional

quinta-feira, 28 de novembro de 2013 12:47 BRST
 

SÃO PAULO, 28 Nov (Reuters) - Coproduções envolvendo profissionais de vários países não são novidade no cinema, vide "Orfeu do Carnaval" (1959), longa ítalo-franco-brasileiro de Marcel Camus que ganhou o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro em 1960.

Com a globalização crescente, produções desse tipo se tornaram mais frequentes nos últimos anos, a exemplo de "Babel" (2004), do mexicano Alejandro González Iñárritu, e "Ensaio sobre a Cegueira" (2008), do brasileiro Fernando Meirelles, ambos muito calcados em uma crítica social universal.

"Trem Noturno para Lisboa" (2013), do dinamarquês Bille August, é mais um desses filmes multinacionais.

Trata-se de uma adaptação do livro homônimo de Pascal Mercier, pseudônimo do professor suíço de filosofia Peter Bieri, que retrata a jornada de investigação e autoconhecimento de Raimund Gregorius (Jeremy Irons), também um professor que se entrega à ideia de viver o momento, o famoso carpe diem do poeta romano Horácio.

Depois de ler e se identificar com as palavras de Amadeu do Prado (Jack Huston), escritor português cuja obra conheceu ao ficar com um livro dele que pertencia a uma mulher que o professor impediu de se jogar de uma ponte, Raimund decide largar sua vida estabelecida em Berna e pegar o trem noturno que partia da capital suíça com destino para Lisboa.

A passagem, aliás, estava dentro do livro de Amadeu. Em terras portuguesas, o protagonista inicia uma busca pelo passado de Amadeu e descobre uma história de amor, amizade, paixão, conflitos familiares, traições, disputas e agitações políticas.

Filho de um juiz conservador (Burghart Klausner), Amadeu não compartilhava a opinião do pai, de quem nunca conseguiu respeito e atenção, muito menos da Igreja Católica, de quem recebia os ensinamentos durante o tempo de internato.

Foi lá que ele conheceu Jorge (August Diehl), que se tornaria seu melhor amigo e até um parceiro de profissão, pois este se formaria em Farmácia, enquanto Amadeu ficou com a Medicina.

Porém, quando a perseguição da ditadura fascista de Salazar amedronta a população, ao mesmo tempo em que a Resistência -que desembocaria na Revolução dos Cravos, em 1974- cresce em Portugal, o médico e aprendiz de filósofo se viu envolvido com os rebeldes, mas de um modo especial com uma mulher entre eles: a linda Estefânia (Mélanie Laurent), namorada do seu amigo Jorge.   Continuação...