ESTREIA-Premiado "Um Estranho no Lago" não tem pudor em mostrar erotismo

quinta-feira, 12 de dezembro de 2013 10:54 BRST
 

SÃO PAULO, 12 Dez (Reuters) - Ganhador do Queer Palm - prêmio destinado a filmes com temática gay no Festival de Cannes - e prêmio de direção na Mostra Um Certo Olhar, do mesmo festival, "Um Estranho no Lago" é um filme de climas eróticos e de suspense.

Desde então, muito se falou do filme, especialmente por conta de suas cenas de nudez e sexo explícito. O longa também acaba de ser escolhido pela publicação francesa "Cahiers du Cinema" como o melhor filme de 2013.

O lago do título é um campo de nudismo onde homens vão para flertar, e, dependendo da reciprocidade, encaminham-se para um bosque próximo, onde mantêm relações sexuais.

O diretor e roteirista Alain Guiraudie cria uma gama de tipos variados: o pegador, o cara que se apaixona quando deveria ser uma coisa passageira, aquele que gosta de observar, aquele que só provoca e não quer nada, entre outros.

São personagens facilmente identificáveis - exceto pela figura mais simpática do filme, Henri (Patrick d'Assumçao), sujeito que acaba de se separar da mulher e, solitário, vai ao lago apenas para pensar, matar o tempo, sem qualquer interesse sexual ou amoroso.

Sentado num canto mais afastado e mais vestido do que os demais frequentadores, ele chama a atenção de Franck (Pierre Deladonchamps). Das conversas sobre banalidades se delineia uma amizade. O rapaz, porém, ao contrário de Henri, procura aventuras sexuais.

Experimenta alguns homens, observa outros casais, até que se interessa por Michel (Christophe Paou), sujeito sedutor, mas sempre acompanhado por um namoradinho, o que não o impede de retribuir aos olhares de Franck.

A desestabilização desse paraíso homossexual acontece quando, depois de ficar até mais tarde, Franck assiste a um assassinato. No dia seguinte, as roupas do garoto estão jogadas no mesmo lugar perto do lago, mas ninguém se importa. Franck parece estranhamento fascinado pelo criminoso.

"Um Estranho no Lago" não se preocupa em tentar entender as motivações do protagonista nesta situação, apenas deixa-o livre em uma relação doentia e fadada à tragédia. Guiraudie parece não ter outra ambição do que deixar tudo em aberto.

(Por Alysson Oliveira, do Cineweb)

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb