Polícia britânica descarta envolvimento militar na morte da princesa Diana

terça-feira, 17 de dezembro de 2013 11:57 BRST
 

LONDRES, 17 Dez (Reuters) - A polícia britânica descartou nesta terça-feira reabrir uma investigação sobre a morte da princesa Diana em um acidente de carro em Paris em 1997, após examinar acusação de que um grupo de elite das Forças Armadas britânicas estaria envolvido na morte.

A polícia metropolitana de Londres disse em agosto que estava avaliando novas informações sobre as mortes de Diana, Dodi al Fayed e do motorista deles no acidente ocorrido quando eram perseguidos em alta velocidade por fotógrafos paparazzi pelas ruas de Paris.

Reportagens à época disseram que a polícia havia recebido novas informações a partir dos sogros de um ex-soldado sobre o envolvimento do grupo de elite militar SAS.

"Ainda que exista a possibilidade de que supostos comentários tenham sido feitos em relação ao envolvimento do SAS nas mortes, não há nenhuma evidência crível para apoiar a teoria de que tais alegações possuam qualquer base em fatos", disse a polícia em comunicado.

O funeral de Diana, que havia se divorciado do príncipe Charles em 1996, levou imensas multidões às ruas de Londres.

O pai de Dodi, Mohammed al Fayed, ex-proprietário da loja de departamentos Harrods, alegou que o casal havia sido assassinado por ordem do "establishment" britânico.

Mas uma investigação feita pelo antigo diretor da polícia de Londres John Stevens concluiu não haver evidências de assassinato e que o motorista, Henri Paul, havia consumido álcool e corria demais.

Um inquérito de 2008 em Londres resultou em um veredicto de homicídio, do qual Paul e os fotógrafos foram considerados culpados pelas mortes em um túnel de Paris no dia 31 de agosto de 1997, mas as especulações sobre uma conspiração de assassinato continuaram nos tablóides britânicos.

Investigadores franceses também descartaram as denúncias sobre homicídio, e em 2008 Mohammed al Fayed anunciou ter abandonado sua campanha de 10 anos para provar que o casal havia sido assassinado.

Um porta-voz real disse que não faria comentários sobre o assunto.

(Reportagem de Richa Naidu, em Bangalore, e Belinda Goldsmith, em Londres)

 
Princesa Diana ao chegar na Royal Geographical Society para discursar sobre os perigos das minas terrestres no mundo, em Londres. A polícia britânica descartou nesta terça-feira reabrir uma investigação sobre a morte da princesa Diana em um acidente de carro em Paris em 1997, após examinar acusação de que um grupo de elite das Forças Armadas britânicas estaria envolvido na morte. 12/06/1997. REUTERS/Ian Waldie