December 26, 2013 / 11:05 AM / 4 years ago

ESTREIA-Nem Jerry Lewis esquenta a sequência nos EUA de "Até que a Sorte nos Separe"

3 Min, DE LEITURA

SÃO PAULO, 26 Dez (Reuters) - Era inevitável, depois do sucesso do primeiro "Até que a Sorte nos Separe" (2012) - a maior bilheteria nacional do ano passado - ser produzida uma continuação que, apesar de trocar o Rio de Janeiro por Las Vegas e Danielle Winits por Camila Morgado, é idêntica ao filme anterior.

Aqui, novamente, Tino (Leandro Hassum) ganha uma bolada de dinheiro inesperada, que poderia salvar sua vida das dívidas, mas ele acaba perdendo tudo.

O dinheiro, dessa vez, vem da herança de um tio rico que morreu com pouco mais de 100 anos e deixou a fortuna para ser dividida entre sua sobrinha, Jane (Camila), e a mãe dela (Arlete Salles), que, aliás, odeia Tino.

O único pedido do falecido é para que suas cinzas sejam jogadas no Grand Canyon por alguém que o amou de verdade. Como nem a sobrinha ou a irmã gostavam muito dele, a questão é conseguir alguém para cumprir a tarefa. Mas, claro, isso é o de menos, no roteiro de Paulo Cursino e Chico Soares.

O cenário do Grand Canyon é apenas uma desculpa para os personagens irem a Las Vegas e Tino perder tudo numa mesa de pôquer, frequentada por sósias de Oprah, Johnny Depp e Stallone, e ser perseguido por um matador mexicano (Charles Paraveti).

Tudo é criado para Hassum mostrar seu humor histriônico, que não funciona tão bem como no primeiro filme.

Em sua primeira cena, Camila Morgado tem uma fala que "explica" a troca de atrizes: "Eu sou uma nova mulher, mudei completamente". Mas seu melhor momento é mesmo quando faz uma paródia de si mesma em sua atuação no drama "Olga" (seu primeiro filme).

Las Vegas é repleta de luz, dinheiro e excesso de cafonice -- o que cai bem ao gosto dos personagens, seduzidos pelas cópias baratas de cidades e monumentos famosos. Além disso, é de se pensar o que fez o veterano ator norte-americano Jerry Lewis topar uma participação em duas cenas (que somadas não devem dar um minuto), que não fazem jus ao seu talento como comediante.

Já o lutador Anderson Silva faz uma espécie de paródia de si mesmo, no papel de um segurança.

Roberto Santucci dirige esse filme da mesma forma como fez o primeiro e a franquia "De Pernas pro Ar" -- sem deixar qualquer tipo de marca pessoal. É o tipo de humor padronizado que em nada difere daquele praticado na televisão.

(Por Alysson Oliveira, do Cineweb)

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below