ESTREIA-Quinto "Atividade Paranormal" remete a filmes anteriores

quinta-feira, 9 de janeiro de 2014 14:38 BRST
 

SÃO PAULO, 9 Jan (Reuters) - Não deixa de ser uma manobra inteligente por parte do produtor Oren Peli, o criador da franquia "Atividade Paranormal", pisar no freio nas sequências e partir para o que chamam de "spin-offs", produções derivadas da original. Assim, ganha tempo para desenvolver um desfecho para os protagonistas de sua cinessérie, ao mesmo tempo em que amplia potencialmente a variedade de novas histórias sob o mesmo selo.

Isso significa deixar de lado, por enquanto, o destino da possuída Katie (Katie Featherston) e do jovem Hunter (que mais tarde se tornou Robbie) e direcionar o demônio e a seita de bruxas para outros azarados, os tais "marcados pelo mal". Tudo muito relacionado, claro, mas o conflito é deslocado para outras casas, aqui, em uma comunidade latina na Califórnia.

Nesta produção, Jesse (Andrew Jacobs) e Hector (Jorge Diaz) são dois amigos que acabaram de concluir o ensino médio. Com uma câmera na mão registram seu tedioso cotidiano, até se depararem com estranhos acontecimentos vindos do apartamento da vizinha Anna (Gloria Sandoval), que todos no bairro acreditam ser uma bruxa.

A partir de então, passam os dias espionando a senhora, que realiza bizarros rituais em sua casa. O suspense aumenta quando inexplicavelmente um colega da antiga escola de Jesse mata Anna. Os dois amigos, então, invadem a casa dela para tentar solucionar o mistério e não demora muito para que algo sobrenatural passe a assombrá-los.

Seguindo a fórmula dos anteriores, com câmera na mão e muitos sustos, "Marcados pelo Mal" é mediano, mas se salva pelas boas cenas de tensão. Uma especialmente divertida, apesar do contexto, se dá quando o demônio entra em contato com a dupla por meio do jogo Genius, que emite uma sequência de sons e cores para o jogador memorizar e repetir.

É importante lembrar que quanto mais os personagens pesquisam sobre os fenômenos que passam a vivenciar, mais o roteiro leva à história original de Katie (que faz uma participação especial aqui). Por isso, o espectador deve saber muito bem o que aconteceu em toda a franquia (em especial no terceiro e quarto filmes) para entender o desfecho deste capítulo.

Em resumo, nas quatro produções anteriores é possível perceber que Katie foi possuída (já na infância), pois sua mãe faz parte de uma seita de bruxas que adoram o demônio. O que almejam ainda não foi revelado por Peli, nem pelo roteirista dos últimos filmes, Christopher Landon. Mas, aqui, é possível chegar mais perto de uma conclusão.

A possessão por bruxaria, porém, é um ardil perigoso para as sequências e derivados de "Atividade Paranormal" por uma problema de coerência. Tende a ser mais fácil se identificar com presenças estranhas numa casa à noite, com portas batendo e barulhos assustadores. Por isso, não faltam reality shows sobre caça-fantasmas na TV. Agora, uma convenção de bruxas que pretende formar um exército demoníaco ruma para o ridículo.

Curiosamente, "Marcados pelo Mal" não foi a primeira produção derivada do sucesso da franquia. Em 2010, o diretor Toshikazu Nagae lançou "Atividade Paranormal - Tóquio", em que os irmãos Koichi e Haruka sofrem nas mãos de um demônio na capital japonesa. O argumento raso dado naquele roteiro era o envolvimento da jovem Koichi em um acidente de carro nos EUA, com a participação de Katie. Quando voltou de suas férias para casa, o mal veio com ela.   Continuação...