Filho de Picasso critica governo francês por atraso em obra de museu

segunda-feira, 5 de maio de 2014 18:02 BRT
 

Por Mark John

PARIS, 5 Mai (Reuters) - Autoridades francesas estão tentando entrar em acordo com o filho de Pablo Picasso depois que ele as acusou de desonrar seu pai ao demorarem para reabrir o Museu Picasso de Paris.

A mansão do século 17 restaurada que abriga a coleção estava para ser reaberta em junho, depois de uma reforma de cinco anos, no valor de 52 milhões de euros (72 milhões de dólares). Mas o Ministério da Cultura disse que não iria reabrir o museu antes de meados de setembro, perdendo assim o pico da temporada de verão.

"Estou ultrajado e profundamente preocupado", disse Claude Picasso, de 66 anos, filho do pintor considerado um dos artistas mais influentes do século 20, em declarações ao jornal Le Figaro.

"Eu tenho a impressão de que a França não se importa com meu pai ou comigo", disse ele na entrevista, publicada na sexta-feira pouco antes de o Ministério da Cultura confirmar em um comunicado sua decisão de esperar até setembro.

Inaugurado em 1985, o Museu Picasso tem um acervo de quase 300 pinturas, incluindo "autorretratos" de sua fase inicial, o período azul, até o "Matador" e outras concluídas anos antes de sua morte em 1973. Também inclui cerca de 200 esculturas, pinturas em relevo e outros trabalhos.

"Que interesse o Ministério da Cultura poderia ter em impedir a reabertura e o funcionamento de um dos museus mais populares do país?", indagou o ministério.

"O Ministério apela a todos para que coloquem seus interesses pessoais de lado e compartilhem o entusiasmo e a calma requerida para completar este projeto", acrescentou.

Em resposta à incredulidade de modo geral nos meios artísticos diante da explicação prévia, de que a demora era em parte necessária para o recrutamento de novos guardas, o comunicado também anunciou a criação de 40 novos empregos "apesar da dura situação orçamentária".

Não foi possível confirmar imediatamente se o gabinete do primeiro-ministro Manuel Valls iria receber Claude Picasso nesta segunda-feira, conforme noticiou o jornal Le Monde.

No entanto, o diário francês observou que se há alguém que pode aplacar a ira do herdeiro de Picasso, seria Valls, que também é filho de um pintor espanhol que emigrou para a França.