Diamantes raros vão a leilão em Genebra

quarta-feira, 7 de maio de 2014 12:48 BRT
 

Por Stephanie Nebehay

GENEBRA, 7 Mai (Reuters) - Enormes diamantes amarelos e azuis devem atingir preços altos em leilões de jóias de Genebra, na próxima semana, já que os investidores estão em busca de pedras raras para revitalizar o aquecido, que está aquecido, disseram casas de leilão nesta quarta-feira.

O "Graff Vivid Yellow" ("Amarelo Vívido de Graff"), o principal do lote da Sotheby's em 13 de maio, é um diamante amarelo com 100,09 quilates que foi cortado pelo joalheiro Laurence Graff, com sede em Londres.

"Uma vez que chega a 100 quilates, (a pedra) está no campo de raridade extrema", disse David Bennett, presidente do departamento de joalheria da Sotheby`s para a Europa e o Oriente Médio.

A estimativas da Sotheby`s é que o diamante amarelo em forma de almofada, cujo proprietário não foi identificado, vá conseguir entre 15 e 25 milhões de dólares.

Um diamante branco redondo de 103,46 quilates, também cortado por Graff e descrito pela Sotheby`s como um dos maiores de corte de brilhante no mundo, também faz parte do lote, com uma estimativa de preço entre 3,5 a 5 milhões de dólares.

Um diamante branco menor, mas com 31,34 quilates, "The Victory Diamond" ("O Diamante da Vitória"), que pertencia a Florence Gould, nora do magnata das ferrovias norte-americano Jay Gould, é estimado entre 5 e 8 milhões de dólares.

"Ela foi uma das três ou quatro maiores colecionadoras de jóias do século 20, ao lado de pessoas como a duquesa de Windsor e Daisy Fellowes", disse Bennett, recordando as senhoras da alta sociedade que frequentavam a Riviera Francesa em 1930.

"Ela aparentemente o usava bastante, inclusive numa viagem bastante famosa ao Camboja, quando foi para a selva enfeitada com jóias, o que é uma história maravilhosa."

A Sotheby`s divulgou em fevereiro que havia adquirido o diamante "Pink Star" ("Estrela Rosa"), o qual alcançou o preço recorde mundial de 76,3 milhões de francos suíços (83 milhões dólares à época) em novembro, após o seu comprador não conseguir pagar por ele. (Reportagem de Stephanie Nebehay)