iPhone estimula tráfego na Web, se não vendas de música

segunda-feira, 21 de janeiro de 2008 14:43 BRST
 

Por Antony Bruno

DENVER (Billboard) - Embora a Apple não tenha introduzido atualizações significativas do iPhone em sua convenção anual Macworld, que aconteceu entre 14 e 18 de janeiro em San Francisco, o cobiçado aparelho continua a movimentar o mercado.

A Apple vendeu mais de 4 milhões de iPhones desde o lançamento, de acordo com o discurso de seu presidente-executivo, Steve Jobs, na conferência. Mas o mais interessante é aquilo que as pessoas que compraram o aparelho estão fazendo com ele.

Em dados fornecidos ao New York Times, o líder entre os serviços de busca na Web, Google, revelou que recebeu mais tráfego de iPhones do que de qualquer outro aparelho móvel, neste Natal, ainda que o modelo detenha apenas dois por cento do mercado de celulares inteligentes e menos de um por cento do mercado de celulares em geral.

Isso significa que, embora menos gente tenha iPhones, os usuários do modelo tendem a usá-lo para acesso à Internet com freqüência muito maior do que proprietários de outros celulares.

O que não está claro é se o design atraente e a interface de uso simplificada que o iPhone oferece se provaram úteis para outras funções --como a compra de música. Ainda que os usuários do iPhone possam adquirir canções da iTunes quando o aparelho está ao alcance de um hotspot Wi-Fi, a Apple se recusou a revelar quantos deles já o fizeram.

Até o momento, baixar música para celulares não se provou uma atividade popular. De acordo com estudo recente da M:Metrics, 20 por cento dos usuários de celulares em todo o mundo ouvem música em seus aparelhos, mas 83 por cento deles transferem música para seus aparelhos de computadores ou players digitais, em lugar de baixá-la diretamente de um serviço de download.

Isso levou executivos do setor de música a imaginar se o futuro da música para os aparelhos móveis não será mais semelhante ao modelo de serviços via Web que vem ganhando terreno na Internet --sob o qual fãs recebem música de múltiplas fontes, incluindo uns dos outros-- do que ao modelo de compra e download que vem sendo seguido até o momento.