Cubanos superam dificuldades imensas para manterem blogs

quarta-feira, 10 de outubro de 2007 15:10 BRT
 

Por Esteban Israel

HAVANA (Reuters) - Quando Yoani Sanchez, 32, quer atualizar seu blog sobre a vida cotidiana em Cuba, ela se veste de turista e entra confiante em um hotel de Havana, cumprimentando os funcionários em alemão.

Isso acontece porque cubanos como ela não estão autorizados a usar as conexões de Internet do estabelecimento, reservado a estrangeiros.

Em um post recente no blog "Generación Y" (desdecuba.com/generaciony), Sanchez escreveu sobre a presença abundante de policiais em patrulha pelas ruas de Havana, verificando documentos e realizando buscas em bolsas à procura de produtos contrabandeados.

Ela e um punhado de outros blogueiros independentes estão abrindo uma fresta no severo controle do governo sobre a mídia e a informação, para dar ao resto do mundo um vislumbre da vida em um Estado comunista onde partidos de oposição são proibidos.

"Estamos aproveitando uma área que ainda não está regulamentada. Eles não conseguem controlar o ciberespaço", afirmou ela. Mas as dificuldades são muitas.

Quando chega ao hotel, Sanchez precisa escrever rapidamente. Não porque ela tem medo de ser apanhada em flagrante, mas porque o acesso à rede é proibitivamente caro. Uma hora de Internet custa cerca de 6 dólares, o equivalente a 15 dias de salário para um trabalhador cubano médio.

Blogueiros independentes como Sanchez tem de criar seus sites em servidores fora de Cuba e têm mais leitores fora do país do que dentro dele. Isso não surpreende, já que apenas 200 mil cubanos, ou menos de dois por cento da população, têm acesso à Web, o menor índice na América Latina, de acordo com a União Internacional de Telecomunicações.

Apenas funcionários do governo, professores, universitários e pesquisadores estão autorizados a manter contas próprias de Internet, fornecidas pelo governo.   Continuação...