Preocupações nos EUA reduzem brilho de feira tecnológica

terça-feira, 8 de janeiro de 2008 10:50 BRST
 

Por Phillipp Gollner e Marie-France Han

SAN FRANCISCO/LAS VEGAS (Reuters) - As maiores empresas mundiais de tecnologia estão tentando convencer os consumidores de que eles necessitam de casas conectadas digitalmente e repletas de aparelhos de alta tecnologia, apesar dos custos.

Mas existe um problema: um número cada vez maior de consumidores vêm enfrentando problemas para manter seus aluguéis e prestações em dia, quanto mais pagar por um televisor de 150 polegadas.

Poucos executivos presentes à Consumer Electronics Show, evento anual realizado em Las Vegas, foram capazes de evitar questões sobre o estado da economia e a combinação entre a alta no desemprego dos Estados Unidos, preços do petróleo a 100 dólares por barril, problemas de crédito e a crise hipotecária que está causando ansiedade a muita gente.

"O quarto trimestre esteve repleto de situações estranhas e difíceis de rebater relacionadas ao desemprego, ao PIB e a tudo mais", disse Howard Stringer, presidente-executivo da Sony, na segunda-feira, depois de um briefing no evento. "Assim, embora seja cedo demais para pessimismo, eu leio os jornais."

O grupo de varejo de eletrônicos Circuit City Stores na segunda-feira se tornou a mais recente empresa a negar a visão que alguns analistas sustentavam no começo da temporada de festas, a de que os consumidores norte-americanos continuariam gastando em computadores, televisores, câmeras digitais e players de música, apesar da queda no valor de suas casas e da elevação no número de execuções de hipotecas.

A Circuit City, prejudicada por uma dispendiosa reestruturação, informou que as vendas em dezembro de suas lojas abertas há pelo menos um ano caíram em mais de 11 por cento, e a expectativa do grupo é de ter prejuízo no quarto trimestre.

Mais sério ainda pode ser o relatório sobre as vendas de dezembro que será divulgado na sexta-feira pela Best Buy, maior cadeia norte-americana de varejo de eletrônicos. As expectativas são de que seu desempenho tenha superado em muito o da empresa rival.