Grandes empresas de mídia repensam seu papel na Internet

terça-feira, 15 de abril de 2008 16:48 BRT
 

Por Kenneth Li

NOVA YORK (Reuters) - A disposição da News Corp. e da Time Warner de discutir uma possível união com o Yahoo é vista como admissão tácita de que os grandes impérios de mídia não pretendem mais agir sozinhos na Internet.

Mesmo que eles percam o Yahoo para a Microsoft, como Wall Street tende a esperar, os analistas e fontes do setor de mídia dizem que as duas empresas poderiam explorar outras combinações, como uma fusão da America Online, da Time Warner, com o MySpace, da News Corp.

"MySpace e America Online são ativos de Internet que estão ou no limbo ou em declínio", disse Jordan Rohan, fundador da Clearmeadow Partners, uma empresa de consultoria sobre mídia digital. "O Google está crescendo mais rápido do que eles, e é responsável pela maior parte dos lucros de ambos. Eles dependem de seu maior concorrente, o que é uma péssima posição."

Tanto o MySpace quanto a America Online usam o serviço de publicidade vinculada a buscas do Google.

À medida que a economia dos Estados Unidos parece encaminhada a uma recessão, as preocupações quanto ao crescimento em longo prazo da publicidade na Internet forçaram as grandes empresas de mídia a reavaliar seu papel.

Talvez os dias em que elas eram capazes de enfrentar o Google ou Yahoo sozinhas já tenham passado. Tanto a Walt Disney Co quanto a NBC, da General Electric, fecharam seus ambiciosos portais de Internet em 2001.

As ações da Time Warner sofreram nos sete anos transcorridos desde sua fusão com a America Online, mas sua reestruturação como uma empresa que oferece serviços integrados de publicidade online vem demonstrando sinais iniciais de progresso.

Enquanto isso, a Fox Interactive Media (FIM), da News. Corp., controladora do MySpace, o maior site mundial de redes sociais, começou discretamente a reduzir suas expectativas, no final do ano passado, e agora antecipa que sua receita no ano fiscal de 2008 fique aquém da meta de um bilhão de dólares estabelecida pelo presidente-executivo da News Corp., Rupert Murdoch.