Fundos de hedge discutem com Philips sobre desempenho

segunda-feira, 10 de dezembro de 2007 15:58 BRST
 

Por Harro ten Wolde

AMSTERDÃ (Reuters) - Os fundos de hedge norte-americanos Jana Partners e D. E. Shaw Group informaram que planejam conversar com a Philips Electronics sobre seu desempenho e estrutura de capital, o que elevou as ações do grupo à sua cotação mais alta em um mês.

Os dois fundos de hedge detêm 1,6 por cento do capital da Philips, que é a maior fabricante de equipamento de iluminação do mundo, uma das três maiores fabricantes mundiais de equipamento médico e a maior para artigos eletrônicos de consumo na Europa, anunciaram os fundos em comunicado divulgado no final de semana.

As ações da Philips subiram a 29,5 euros na sessão desta segunda-feira, elevando em cerca de 2 bilhões de euros sua capitalização de mercado de 34 bilhões de euros. As ações superaram o índice DJ Stoxx 50, que ganhou 0,49 por cento no dia.

A empresa foi avaliada em oito vezes o lucro projetado para 2007 e 16 vezes os lucros projetados para 2008.

O conglomerado alemão Siemens tem suas ações negociadas a quase 17 vezes os lucros de 2007 e 14 vezes os lucros projetados para 2008.

A General Electric, cuja subsidiária de equipamento de médico concorre com a da Philips, está sendo negociada a 17 vezes os lucros projetados de 2007 e 15 vezes os de 2008.

A Philips encerrou o terceiro trimestre com 5,2 bilhões de euros em caixa, o que a torna um ativo atraente para acionistas ativos como os fundos de hedge, que muitas vezes pressionam pela redistribuição de excedentes de caixa aos acionistas.

Os analistas estimaram que a Philips poderia gerar 1,5 bilhão de euros de caixa com vendas de ativos e como resultado de operações. A empresa também poderia contrair algumas dívidas. No momento, sua contabilidade não registra dívidas.

A Philips tem fortes participações na produtora de telas planas LG.Philips LCD e na produtora terceirizada de chips TSMC, de Taiwan.