Feira de tecnologia abre espaço a refrigeradores e lavadoras

terça-feira, 26 de agosto de 2008 14:09 BRT
 

Por Nicola Leske

FRANKFURT (Reuters) - Mais de 60 anos depois de sua primeira edição, uma das mais antigas feiras mundiais de bens eletrônicos de consumo está desbravando novos territórios ao abrir espaço a lavadoras, secadoras, fogões e outros eletrodomésticos.

Na feira IFA, em Berlim -onde o então primeiro-ministro alemão Willy Brandt ligou o primeiro televisor em cores do mundo em 1967-, televisores continuam a ser atração importante, mas hoje em dia eles podem ser parte de um refrigerador.

Os organizadores da feira dizem que estão acompanhando os tempos que vivem, já que as cadeias de varejo de eletrônicos vêm substituindo as de eletrodomésticos, e empresas como Philips, Samsung e LG não mais limitam seus produtos ao entretenimento eletrônico.

"Ao integrarmos o setor de eletrodomésticos, esperamos que os produtos de ambos os setores se tornem mais populares e que os visitantes internacionais expressem interesse ainda mais ávido", disse Rainer Hecker, presidente do GFU, o grupo que organiza a feira.

A demanda mundial por eletrodomésticos de grande porte -os chamados produtos de linha branca- deve crescer em 3,1% ao ano até 2011, de acordo com um estudo do Freedonia Group, uma empresa norte-americana de pesquisa de mercado.

A demanda será propelida pelo interesse dos consumidores em substituir aparelhos quebrados ou adotar modelos mais novos, como os aparelhos de maior eficiência energética hoje disponíveis, o estudo informou.

Mas os engenheiros também estão tentando aplicar a tecnologia de maneira a tornar ainda mais úteis os eletrodomésticos, criando, por exemplo, uma secadora com funções de ferro de passar ou uma lavadora que possa ser ligada e desligada via Internet.

"Entre os 10 aparelhos elétricos de uso cotidiano mais importantes, cinco pertencem ao segmento dos eletrônicos e os outros cinco ao dos eletrodomésticos", disse Christian Goeke, vice-presidente de operações da feira de Berlim.

Entre os consumidores alemães, os itens populares são máquinas para fazer bebidas quentes, como as cafeteiras de expresso que registraram crescimento na casa dos dois dígitos durante o primeiro semestre de 2008.