Acer quer recorde em vendas de notebooks

quinta-feira, 4 de setembro de 2008 17:13 BRT
 

Por Kiyoshi Takenaka

QUIOTO (Reuters) - A Acer, de Taiwan, anunciou que espera que suas vendas de laptops atinjam o recorde de 3,8 milhões de unidades em setembro, seguido por novo crescimento de vendas em outubro e novembro, a despeito da desaceleração econômica.

As vendas de laptops da Acer vêm sendo propelidas pelos seu mininotebook Aspire One, de baixo custo. A terceira maior fabricante mundial de computadores espera que as vendas do Aspire One, que concorre com o Eee, da Asustek, excedam um milhão de unidades em setembro.

"Agosto já foi um bom mês, setembro será um recorde de alta. Assim, nosso terceiro trimestre será muito bom", disse J. T. Wang, presidente do conselho da Acer, à Reuters, em entrevista na quinta-feira.

"Não considero que os altos preços do petróleo ou a ameaça da inflação venham a ter impacto sobre o crescimento dos nossos negócios", ele acrescentou.

Os comentários de Wang surgiram depois que a Dell, a segunda maior fabricante mundial de computadores, anunciou na semana passada uma queda inesperadamente aguda em sua receita trimestral, e disse que empresas de todo o mundo estavam cortando seus gastos com tecnologia, deflagrando temores de fraqueza para todo o setor de tecnologia.

As ações da Acer caíram em 15 por cento nos três dias posteriores ao anúncio da Dell.

Mas Wang disse que o foco da Acer nos segmentos educacional e ao consumidor e sua limitada exposição a negócios empresariais e governamentais está protegendo a empresa contra a desaceleração generalizada.

Ele afirmou que o lucro operacional da Acer no período julho-setembro deve ser "razoavelmente" melhor que o do segundo trimestre, mas se recusou a ser mais específico.

Os analistas em média previam lucro de 3,6 bilhões de dólares de Taiwan para empresa no terceiro trimestre, ante 2,7 bilhões de dólares de Taiwan no trimestre anterior.

A Acer vem se expandindo em mercados emergentes de rápido crescimento como China, Índia, Rússia, América Latina e Oriente Médio.