Satélites do Brasil ajudarão a monitorar mudança climática

sexta-feira, 18 de janeiro de 2008 10:46 BRST
 

GENEBRA (Reuters) - As agências espaciais dos Estados Unidos, do Brasil e de outros países aceitaram ceder sua nova geração de satélites para ajudar no monitoramento da mudança climática, disse nota divulgada na noite de quinta-feira pela Organização Meteorológica Mundial (OMM, um órgão da ONU).

A decisão foi tomada por autoridades de primeiro escalão das agências espaciais, durante conferência organizada nesta semana pela OMM em Nova Orleans.

"Os esforços de alta tecnologia para melhor entender o aquecimento global foram fortalecidos depois que as agências espaciais e meteorológicas do mundo deram seu apoio a uma estratégia da OMM para o uso reforçado de satélites para monitorar a mudança climática e o clima", disse a nota.

O objetivo é que satélites lançados nos próximos 20 anos registrem constantemente parâmetros como nível dos mares e concentração de gases do efeito estufa na atmosfera.

Dirigentes da Nasa, da Agência Espacial Européia e das agências espaciais do Brasil, Japão, China e Índia participaram do evento de dois dias em Nova Orleans.

"Todas as agências que participaram deram apoio (à nova estratégia)", disse Paul Garwood, porta-voz da OMM.

Jerome Lafeuille, diretor da divisão de observações espaciais da OMM, afirmou que o monitoramento da mudança climática exige medições prolongadas e contínuas, e que os satélites são essenciais para isso por revelarem mudanças no quadro global dos oceanos e da atmosfera.

Pelo menos 16 satélites geoestacionários e de baixa órbita atualmente fornecem dados operacionais sobre o clima do planeta, como parte do sistema global de observações da OMM.

(Por Stephanie Nebehay)