Fotos de satélite confirmam informações de violência em Mianmar

sexta-feira, 28 de setembro de 2007 15:34 BRT
 

WASHINGTON (Reuters) - Imagens feitas por satélite confirmaram as informações sobre vilarejos incendiados, deslocamentos forçados e outras violações dos direitos humanos em Mianmar, disseram cientistas nesta sexta-feira.

A Associação Americana pelo Avanço da Ciência informou que fotos em alta resolução feitas por satélites comerciais documentam o aumento da presença militar em 25 pontos no leste de Mianmar, o que é compatível com os relatos de testemunhas.

"Encontramos evidências sobre 18 vilarejos que praticamente desapareceram", disse Lars Bromley, da associação, numa entrevista. "Recebemos informações no fim de abril de que um grupo de vilarejos no Estado de Karen tinha sido incendiado. Conseguimos identificar marcas dos incêndios no chão -- quadradas, do tamanho de casas".

Mianmar, ex-Birmânia, passa pela pior onda de protestos desde uma revolta em 1988, que matou 3.000 pessoas. As manifestações são contra o governo militar, que domina o país há mais de quatro décadas.

A Associação de Nações do Sudeste Asiático manifestou "repulsa" na quinta-feira pelas mortes de nove manifestantes em Yangon, e países como China e Estados Unidos já pediram à junta militar que pare de usar a força para reprimir os protestos.

O grupo de Bromley obteve financiamento do Instituto Sociedade Aberta e da Fundação Catherine T. MacArthur para alugar o sobrevôo do satélite e comprar as imagens arquivadas.

Além dos vilarejos dizimados, a equipe também encontrou provas de "realocação forçada -- em que um grupo de pessoas é levado para áreas mais remotas e obrigada a construir casas em locais sob o controle do governo militar", disse Bromley.

"Em uma área perto de um acampamento militar que observamos, havia cerca de 31 vilarejos que surgiram do nada no espaço de cerca de cinco anos e meio. Ou é um incrível baby boom ou algum tipo de programa específico, ou, como não temos informações sobre esses fatos, a realocação forçada é uma candidata lógica", disse ele.

(Por Maggie Fox)