Olimpíada prepara cenário para luta tecnológica na Web

segunda-feira, 25 de agosto de 2008 12:00 BRT
 

Por Daisuke Wakabayashi

SEATTLE (Reuters) - Enquanto os melhores atletas do mundo competiam, em Pequim, a olimpíada estava também preparando o terreno para uma batalha entre a Microsoft e a Adobe Systems quanto à próxima grande tecnologia da Internet.

A tecnologia Silverlight, da Microsoft, e sua concorrente Flash, da Adobe, estão envolvidas em uma disputa para determinar quem determinará o mercado de vídeos online, e o resultado pode decidir quem fornecerá a próxima geração de software da Web.

Usando a tecnologia Silverlight, o site da NBC ofereceu um vislumbre do que futuros aplicativos da Web poderão possibilitar, porque os usuários podiam assistir a até quatro vídeos simultaneamente ou acompanhar a ação por meio de um comentário online que corre ao lado do vídeo.

Mais de 40 milhões de usuários norte-americanos recorreram ao site da NBC para assistir a parte de suas 2.200 horas de cobertura ao vivo dos jogos de Pequim. Todos esses espectadores precisaram instalar o software Silverlight em seus navegadores, se ainda não o tinham.

Ao ampliar a base de usuários do Silverlight, a maior produtora de software do mundo está tentando conquistar os programadores, que vêem plataformas de Web, a exemplo das tecnologias Silverlight e Flash, como nova maneira de transmitir poderosos programas via Web que incorporem ricos recursos gráficos.

No momento, essas plataformas estão principalmente reservadas a aplicativos multimídia como o popular site YouTube, do Google, que opera com tecnologia Flash.

"Isso está rapidamente se tornando uma maneira popular de construir aplicativos de próxima geração. Existe muito interesse em capturar a atenção dos programadores", disse Jeffrey Hammond, analista da Forrester Research. "É um negócio de grande porte."

Para a Microsoft, manter a lealdade dos programadores é especialmente importante, em um período de fortes mudanças na maneira pela qual as pessoas adquirem software.

Depois de anos vendendo licenças de software a ser instalado no disco rígido da máquina do usuário, a Microsoft agora enfrenta diversos concorrentes que oferecem software como serviço gratuito via Web, com custos bancados pela publicidade online.