Cuba começa a vender celulares para população no país

segunda-feira, 14 de abril de 2008 14:25 BRT
 

HAVANA (Reuters) - Centenas de cubanos faziam fila na segunda-feira para comprar uma linha de telefone celular depois de o presidente do país, Raúl Castro, ter autorizado a obtenção desse serviço pelos moradores da ilha a fim de facilitar a vida deles.

No final de março, o governo cubano informou aos cubanos que eles poderiam obter esse serviço, antes reservado aos estrangeiros e a alguns funcionários públicos.

"Essa é uma oportunidade única, apesar dos altos preços. Essa é uma medida definitivamente positiva", afirmou Betty Rodríguez enquanto esperava na fila de uma agência telefônica do centro de Havana.

Desde que em fevereiro sucedeu de forma definitiva a seu irmão Fidel Castro, hoje convalescente, Raúl deu início ao discreto cancelamento de algumas das "proibições excessivas" presentes na vida cotidiana dos cubanos.

Um exemplo: muitos dos cubanos que possuem celulares atualmente os compraram dos estrangeiros que visitam a ilha ou que moram no país. Os moradores de Cuba, no entanto, não contavam com a titularidade da linha.

A nova medida não somente permitirá que comprem pela primeira vez o serviço, a partir de segunda-feira, como também facilitará a transferência de propriedade dos que tinham linhas ilegais obtidas por meio de estrangeiros. A transferência será gratuita e não alterará o número da linha, afirmou o governo.

"Antes, a gente precisava desdobrar-se para que um estrangeiro nos desse uma linha. Essa é uma decisão muito boa. Ela beneficia os cubanos e nos dá identidade", disse Rosario Iglesias, 34, que também aguardava em uma das agências habilitadas para vender as linhas de telefonia móvel em Havana.

Os cubanos pagarão as tarifas máximas existentes hoje em dia, de 111 CUC, o equivalente a cerca de 120 dólares. Os contratos são pessoais para os maiores de 18 anos e só há celulares do tipo pré-pago. (Reportagem de Rosa Tania Valdés e Nelson Acosta)