TV na Web vence Olimpíada da mídia e TV móvel fica com a prata

sexta-feira, 22 de agosto de 2008 15:18 BRT
 

Por Georgina Prodhan

LONDRES (Reuters) - Os pessimistas previram que seria a Olimpíada da pirataria.

Mas em lugar disso os consumidores respeitaram a lei e recorreram ao vídeo via Internet em seus computadores --e até em seus celulares -- em números sem precedentes, já que o amadurecimento da TV via Web coincidiu com uma das mais aguardadas Olimpíadas.

Com a disponibilidade abundante de vídeos olímpicos gratuitos na Internet, os espectadores tinham pouco incentivo a procurar pelas más imagens oferecidas pelos serviços piratas.

Mesmo espectadores do Iraque e Afeganistão, onde não existem redes nacionais de TV que transmitam os jogos, puderam assistir a clipes oficiais no YouTube, sob um acordo inédito entre a empresa e o Comitê Olímpico Internacional (COI).

"Nós vemos esse acordo como histórico, ao menos para o YouTube", disse um porta-voz da rede de distribuição de vídeos controlada pelo Google, que se tornou um fenômeno três anos atrás e nem mesmo existia na Olimpíada anterior.

No Reino Unido, o serviço de vídeo ao vivo da BBC atraiu interesse recorde, com três milhões de visitas na metade do sábado, quando o nadador norte-americano Michael Phelps conquistou sua sétima medalha de ouro e a nadadora britânica Rebecca Adlington sua segunda.

"O serviço foi evidentemente muito popular devido ao sucesso dos atletas britânicos. Tenho assistido no trabalho, no iPlayer", diz Paul, 40 anos, executivo de um banco de investimento londrino, em referência ao popular serviço de vídeos online da BBC.

Gigantes da mídia eletrônica como BBC ou NBC, a detentora do direito de transmissão da Olimpíada para os Estados Unidos, têm diversos sites populares na Internet e desempenharam papel importante em conduzir mais telespectadores à mídia online.

Quase 10 milhões de espectadores assistiram mais de seis milhões de horas ou mais de 56 milhões de vídeos na cobertura olímpica da NBC via Internet, o que representa 20 vezes mais acessos, até o momento, do que o total registrado na Olimpíada de Atenas, em 2004, de acordo com a rede.