Microsoft e Hyundai formam parceria para tecnologia de bordo

terça-feira, 6 de maio de 2008 12:04 BRT
 

SEUL (Reuters) - A Microsoft e a maior montadora de automóveis da Coréia do Sul, a Hyundai, fecharam acordo para construir um sistema de música e informação que estrearia em carros vendidos na América do Norte em 2010, informaram as empresas na terça-feira.

As companhias não revelaram os termos financeiros do acordo, mas a Casa Azul, sede da presidência sul-coreana, anunciou que a Microsoft e a Hyundai investiriam respectivamente 113 milhões e 166 milhões de dólares no "Centro de Inovação de Tecnologia da Informação Automotiva", que elas criarão em parceria.

O presidente do conselho da Microsoft, Bill Gates, está visitando Seul para assinar o contrato com a Hyundai. Gates também foi recebido na terça-feira pelo presidente sul-coreano Lee Myung-bak, para discutir cooperação entre sua empresa e grupos do país.

O primeiro produto que a parceria deve desenvolver é um sistema controlado por voz que conecte aparelhos móveis aos alto-falantes de carros.

Versões posteriores devem incluir recursos multimídia e de navegação correlatos, informaram as empresas.

O acordo deve gerar um novo concorrente para o sistema Sync, da Ford Motor, que permite que um motorista use comandos de voz para controlar um sistema que conecta o som do carro a um celular e ao iPod da Apple .

Um detalhe que pode aproximar o sistema de entretenimento para automóveis do mercado de computadores convencionais é que o aparelho poderá adquirir novas capacidades por meio de atualizações de software, informaram as empresas.

O acordo representa uma vitória para a Microsoft, que vem trabalhando para fazer dos automóveis um novo mercado para o seu software, que já domina escritórios e residências.

O mercado para sistemas de dados e informações instalados em automóveis deve crescer acentuadamente nos próximos anos, e montadoras como BMW e Chrysler [CBS.UL] têm em curso projetos para propiciar acesso à Internet em veículos.

De sua parte, a Hyundai e sua afiliada Kia Motors, vêm enfrentando dificuldade para mudar a reputação de fabricantes de veículos que competem no mercado dos Estados Unidos mais pelo preço do que pela tecnologia.