CORREÇÃO-Oi amplia prejuízo no 2º tri com queda de receitas

quarta-feira, 6 de agosto de 2014 12:18 BRT
 

(Corrige 5o parágrafo para esclarecer que receita com telefonia móvel no Brasil caiu 1,1 por cento ante segundo trimestre de 2013, e não primeiro trimestre de 2013)

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A operadora de telecomunicações Oi ampliou prejuízo líquido no período de abril a junho, mostrou seu primeiro balanço trimestral após consolidação dos resultados da Portugal Telecom, com impacto do corte das tarifas de interconexão e menor tráfego devido aos feriados da Copa do Mundo.

A empresa teve prejuízo líquido de 221 milhões de reais no segundo trimestre frente a perda de 124 milhões de reais um ano antes, informou a Oi nesta quarta-feira.

A geração de caixa medida pelo lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) somou de 2,55 bilhões de reais, queda de 21,3 por cento em relação ao segundo trimestre de 2013.

A empresa ressaltou que o Ebitda teve menor contribuição de receitas não rotina, como a de 1,247 bilhão de reais referentes à venda de torres móveis no primeiro trimestre. "É importante mencionar que o resultado do segundo trimestre não é comparável aos trimestres anteriores, devido à consolidação dos resultados da Portugal Telecom desde maio", ressaltou. A receita líquida somou 9,02 bilhões de reais entre abril e junho, leve alta de 0,4 por cento na comparação anual. No Brasil, as receitas do segmento residencial somaram 2,52 bilhões de reais, queda de 2,3 por cento sobre um ano antes. A receita líquida com telefonia móvel caiu 1,1 por cento contra o segundo trimestre de 2013, a 2,23 bilhões de reais.

A companhia atribuiu o leve aumento da receita líquida consolidada à apreciação do euro frente ao real. No entanto, ressaltou que a receita líquida de negócios no Brasil caiu 2 por cento, para 6,935 bilhões de reais, devido à queda da receita de uso de rede com o corte das tarifas reguladas de interconexão do serviço móvel (VU-M) e menor receita de voz fixa devido à baixa da base de clientes. Também houve redução do tráfego de voz e dados com o menor número de dias úteis em junho por conta da Copa.

A base de clientes de telefonia fixa no segmento residencial teve queda de 7,2 por cento na comparação anual, para 11,36 milhões. Segundo a empresa, a baixa ocorreu devido a uma política de crédito mais conservadora além de greve de funcionários terceirizados em Salvador e na região Sul.

A base pré-paga de clientes de telefonia celular subiu 3,9 por cento sobre igual trimestre do ano passado e 0,9 por cento sobre o primeiro trimestre. Já a base de clientes nos serviços móveis pós-pagos, mais rentáveis, teve alta de 2,3 por cento ante o mesmo período de 2013, com avanço de 1,3 por cento sobre o trimestre anterior.   Continuação...