Varejistas norte-americanos rejeitam sistema de pagamentos móveis da Apple

segunda-feira, 27 de outubro de 2014 20:29 BRST
 

CHICAGO (Reuters) - Algumas grandes varejistas norte-americanas estão se recusando a usar o novo serviço de pagamento eletrônico da Apple ao desenvolver sistemas concorrentes que impulsionam seus lucros por eliminar taxas de transação com cartões de crédito.

O Wal-Mart está entre os cerca de 50 grandes varejistas que escolheram não aceitar o Apple Pay, junto a Rite Aid e CVS HealthCorp.

As empresas dizem estar trabalhando no desenvolvimento de seus próprios sistemas de pagamentos, chamados Current C, por meio do consórcio Merchants Customer Exchange (MCX).

O impulso para desenvolver uma solução de pagamento móvel própria é evitar o pagamento de taxas de cartão de crédito para empresas como Visa e Mastercard, disseram analistas. As taxas ficam entre 2 e 3 por cento dos custos por transação.

"A economia e os benefícios de se ter seu próprio sistema de pagamentos é definitivamente uma das principais razões", disse Hitesh Sheth, presidente-executivo da empresa de tecnologia para varejo e segurança cibernética Vectra Networks.

A Apple não respondeu imediatamente a pedidos de comentários. A Mastercard criticou a iniciativa de CVS e Rite Aid, afirmando que limitará as opções dos consumidores.

"Estamos desapontados com o fato de tanto a Rite Aid como a CVS terem decidido bloquear seus consumidores de usar o método de pagamento que escolherem", disse o porta-voz da Mastercard, Jim Issokson.

O Apple Pay, lançado no mês passado, é um aplicativo de pagamento móvel que permite aos consumidores comprar com seus iPhones 6 e 6 Plus, por meio de leitores instalados nas lojas.

Os varejistas que estão rejeitando o Apple Pay também recusaram usar sistemas de pagamento móvel como Google Wallet e Softcard.   Continuação...