Telecom Italia diz estar preparada para explorar eventual fusão com Oi

sexta-feira, 7 de novembro de 2014 14:03 BRST
 

MILÃO (Reuters) - O presidente-executivo da Telecom Italia, Marco Patuano, afirmou nesta sexta-feira que a companhia precisa explorar a possibilidade de compra ou de uma fusão com a operadora Oi, conforme a companhia tenta fortalecer a posição de sua subsidiária local.

Patuano, que está vendendo ativos para financiar investimentos e cortar uma dívida líquida de 33 bilhões de dólares, perdeu uma guerra de ofertas pela GVT neste ano para a Telefónica, deixando a TIM, na qual detém 67 por cento de participação, em uma posição mais fraca que suas rivais em meio à consolidação em serviços de fixos e móveis.

Em outubro, fontes disseram que rivais lideradas pela Oi estavam prontas para apresentar uma oferta pela TIM em um acordo complexo de partilha que precisaria de aprovação regulatória.

"Acredito que é mandatório explorar a possibilidade de tamanha oportunidade estratégica", disse Patuano em uma teleconferência com analistas quando questionado sobre se o grupo italiano poderia estar interessado na compra ou fusão com a Oi.

"Não estamos desesperados e não queremos fazer um acordo a qualquer custo", acrecentou ele na teleconferência após apresentar os resultados da companhia para os primeiros nove meses.

Patuano reiterou que o Brasil é um mercado estratégico e que o grupo ponderaria vender a TIM apenas se uma oferta com um preço muito alto fosse apresentada. Ele disse que qualquer interessado pela TIM, uma fonte importante de crescimento do lucro, também deve estar preparado a assumir quaisquer riscos regulatórios oriundos de um acordo.

A TIM contratou o Bradesco para avaliar "alternativas estratégias", enquanto a Oi comissionou o BTG Pactual para buscar possíveis parceiros para uma oferta conjunta pela TIM.

Alguns investidores estão apostando que a Telecom Italia pode eventualmente sair do Brasil, mas um pequeno grupo de acionistas da Telecom Italia expressou sua oposição a uma possível venda, defendendo em vez disso uma fusão com a Oi.

Patuano também enfrenta mudanças na base de acionistas da Telecom Italia, com a francesa Vivendi prestes a adquirir uma fatia de 8 por cento para se tornar a maior investidora. A Vivendi ainda não expressou sua visão acerca da estratégia para o Brasil.   Continuação...