Uber enfrenta rivais e reguladores difíceis na China

quarta-feira, 17 de dezembro de 2014 09:47 BRST
 

PEQUIM/XANGAI (Reuters) - Rivais com dinheiro em caixa e reguladores inflexíveis estão no caminho dos planos do Uber, serviço norte-americano de solicitação de carros, de conquistar um dos maiores mercados de transporte do mundo, o chinês, mesmo depois de ter assinado um acordo com a gigante doméstica de Internet Baidu.

Os termos do acordo por meio do qual o Baidu comprará uma fatia no operador de aplicativo de táxi não foram revelados.

O Uber, no entanto, está comparativamente atrasado na China, onde usuários de aplicativos de táxi devem triplicar para 45 milhões em 2015 em comparação a 2013, segundo a companhia chinesa de pesquisa iResearch. As empresas domésticas Kuaidi Dache e Didi Dache, apoiadas pelas gigantes de tecnologia Alibaba e Tencent, respectivamente, dominam 90 por cento do mercado.

"A China é o Santo Graal, pois é ao mesmo tempo difícil de conquistar e atraente", disse o analista de transporte e automotivos da Frost & Sullivan, Kumar Saha.

O Uber já tem uma presença na China continental, mas a fatia é pequena, com operações em apenas oito cidades. Em comparação, a Kuaidi já está em mais de 350 cidades, enquanto a rival Didi recentemente captou 700 milhões de dólares para financiar expansão.

"Você precisa fazer as coisas de modo diferente para ter sucesso aqui na China", disse o presidente-executivo do Uber, Travis Kalanick, em Pequim, fazendo sua primeira aparição pública desde o caso de estupro envolvendo um motorista na Índia que resultou na proibição do Uber em Nova Délhi. Kalanick não quis comentar a situação na Índia ou seu impacto na política da companhia em outros mercados como a China.

Kalanick disse que a empresa não está enfrentando qualquer "questão regulatória urgente" na China, mas analistas alertaram que a regulação doméstica será um obstáculo difícil.

(Por Gerry Shih e Adam Jourdan)

 
O CEO do Uber, Travis Kalanick, fala durante cerimônia sobre acordo com Baidu, em Pequim. 17/12/2014 REUTERS/Kim Kyung-Hoon